Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Entrevistas

Alfabetização em Angola a um ritmo acelerado

| Editoria Entrevistas | 13/03/2015

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Os esforços do Executivo no processo de alfabetização dos cidadãos angolanos iletrados tem registado evolução a todos os níveis e dado oportunidade a pessoas que, em tempo próprio, não tiveram a possibilidade de aprender a ler e a escrever, bem como de continuar os estudos (com os módulos 2 e 3) e terem equivalência à 6.ª classe. Em 40 anos de independência, 73,5% dos 24 milhões de angolanos registados foram, continuam ou estão escolarizados.

Em 40 anos de independência, 73,5% dos 24 milhões de angolanos registados foram, continuam ou estão escolarizados
(DR)

Em entrevista à Angop, durante a qual faz uma abordagem ao processo de alfabetização no país desde 1975 (ano da independência nacional) até à presente data, o diretor nacional do Ensino de Adultos do Ministério da Educação (MED), Makulo Valentim Afonso, lembra que, na altura em que se conquistou a independência nacional, o registo apontava que, dos 6,3 milhões de habitantes sob o controlo das autoridades coloniais portuguesas, apenas 15% eram escolarizados.

Angop: Em que ritmo se encontra atualmente o processo de alfabetização no país?

Makulo Afonso (MA) - Estamos no bom caminho. Os números são animadores (taxa de alfabetização 73,5%), há muito engajamento da sociedade e das comunidades que permite estar no patamar em que se está.

Angop: Faça um resumo dos 40 anos de independência.

MA - O marco da independência é muito importante na história da alfabetização no país. Sempre que tiver de falar sobre o assunto, devo fazer referência a 1975, que é o ponto de partida, em que se registava uma taxa de alfabetização de apenas 15 % da população. O Plano Estratégico da Revitalização começou em 2012. Este plano é que permitiu também que o número de alfabetizadores aumentasse. Atualmente conta com 19 418 em todo território nacional. Cifra que em 2012 era de 7 600. Traduz que, como o censo apontou que somos 24 milhões de habitantes, estamos a dizer que teremos o desafio de alfabetizar 6 milhões de habitantes até 2025.

Angop: Com que parceiros sociais o MED conta, que tipo de relação tem e que apoio estas parcerias têm dado para o desenvolvimento do processo?

MA - O processo de alfabetização só é possível com a cooperação dos parceiros. Os mais ativos - tenho a destacar as igrejas - trabalham com muito afinco, organizações juvenis como a JMPLA, que tem uma brigada no âmbito da alfabetização, OMA, Associação Angolana de Adultos, Associação de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP), Fundação Eduardo dos Santos (FESA), União Nacional de Camponeses (UNACA), Cica, CEAST,  Conselho Nacional da Juventude, Forças Armadas, Polícia Nacional e algumas empresas de construção. Quanto ao tipo de relação, o Ministério da Educação coordena e as direcções provinciais de Educação executam, com apoio dos parceiros. O MED tem a responsabilidade de criar as condições, garantir os materiais para que a alfabetização se desenvolva, isto é, potenciando as direcções, que, por sua vez, vão potenciar os parceiros, com material didático (manuais de alfabetização, quadros, cadernos, lápis, borrachas), e apoio. Os materiais são gratuitos. Os alfabetizadores beneficiam de um subsídio de 10 mil kwanzas, assegurados igualmente pelo Executivo. O apoio do MED consiste no material e na alocação dos subsídios aos alfabetizadores.

Angop: Qual é o número de voluntários controlados? São suficientes para as metas que se propõem?

MA - Atualmente, estão controlados 19 418 alfabetizadores, mas o processo é gradual e está sujeito a ter o seu impacto dentro das medidas económicas, pois são subsidiados pelo Estado e têm um peso na economia do país. Não é suficiente, embora seja um número considerável. Precisa-se mais, porém todas as medidas ou decisões passam pelo momento atual do país.

Angop: Quantas pessoas  foram alfabetizadas em 2014?

MA - Inscreveram-se 1, 203 198 milhões pessoas. Deste universo, 68, 5 % são mulheres. Terminaram com sucesso 982 569 alfabetizandos. Desde a revitalização da alfabetização em 2012 foram alfabetizados 2,482 801 milhões.

Angop: Quais as maiores dificuldades encontradas no processo?

MA - Um processo assim não é “um mar de rosas”. Há dificuldades. Como podem ver, inscreveram-se mais de um milhão de alfabetizandos e apenas terminaram 982 569. Os outros foram desistindo. No processo de alfabetização existem pessoas que aparecem um dia e no dia seguinte já não. Ou seja, regista desistências frequentes. Há ainda os que, por défice de adaptação, acabam por abandonar, bem como os irregulares. Outra dificuldade é a insuficiência de professores para o processo de continuidade, para leccionar o módulo 2 e 3. Existem duas estratégias no processo de alfabetização: a que consiste em apenas aprender a ler e escrever; e depois seguem-se os módulos 2 e 3 que dão a equivalência da 6.ª classe. Um alfabetizador, no mínimo, tem a 7.ª classe. Já o professor de continuidade tem de ser da primária, mas diplomado, formado na Escola de Formação de Professores. Há um défice, temos controlados 6387. O próprio sistema, no geral, ainda não tem o número de professores desejado. O ingresso é condicionado a fatores de ordem orçamental.

Angop: Perspetivas para 2015?

MA - O pelouro está a trabalhar no processo de ensino secundário de adultos. Ou seja, escolas do I ciclo do Ensino Secundário. O desafio que temos de ultrapassar é a continuidade dos interessados em aprender mais, e que após os três anos de alfabetização recebam a equivalência da 6.ª classe e pretendam dar sequência. Está já em execução a fase de experimentação em três províncias, nomeadamente Malanje, Luanda e Huambo, em uma escola de cada, designada Implementação da Aceleração das Aprendizagens do I Ciclo do Ensino Secundário. Estão a trabalhar com 36 professores, distribuídos nas 3 províncias e 12 disciplinas curriculares. A estratégia é acelerar a aprendizagem, concluindo o I ciclo em dois anos, uma vez que já estão atrasadas. Para o final do ano, está prevista uma avaliação e posteriormente alargar paulatinamente a todo país. Em 2015 pretendemos alfabetizar 1,165 milhões de pessoas.  

Redação com Agência 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade