Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Especial Brasil Eleições

Uma independência conquistada com suor e sacrifício

| Editoria Especial Brasil Eleições | 11/11/2015

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, afirmou hoje, quarta-feira, que a independência nacional foi conquistada pelo povo angolano com suor e sacrifício, através de uma luta difícil e muito corajosa.

José Eduardo dos Santos procedeu a uma retrospetiva histórica da ocupação colonial portuguesa e das geneses da resistência e do nacionalismo
(DR)

O chefe de Estado fez esta afirmação na sua mensagem à Nação por ocasião do 40.º aniversário da independência nacional, que hoje se assinala em todo o país.

«Na verdade, não foi fácil, não recebemos a independência numa bandeja de prata», afirmou.

José Eduardo dos Santos procedeu a uma retrospetiva histórica da ocupação colonial portuguesa e das geneses da resistência e do nacionalismo.

O Presidente recordou ainda aqueles que sonharam com a liberdade do povo e resistiram com valentia ao longo da história, bem como os que preferiram morrer a lutar do que renderem-se ao ocupante estrangeiro. «São os nossos heróis, que inspiraram com o seu exemplo todos os patriotas angolanos que continuaram a batalha até ao fim», evocou.

Ajuda dos países amigos agradecida

O chefe de Estado agradeceu e enalteceu no mesmo discurso a ajuda dos países amigos para a conquista e a preservação da independência nacional.

O estadista enalteceu a ajuda de Argélia, Egipto, Marrocos, Congo, Tanzânia, Zâmbia, Cuba e Rússia.

 Uma palavra de apreço foi igualmente dirigida por José Eduardo dos Santos ao Brasil, o primeiro país que reconheceu a independência de Angola, em 1975.

O PR recordou também a Nigéria e o apoio diplomático e à ajuda financeira que esta prestou ao governo de Angola nos primeiros momentos da sua existência.

Programa das comemorações

A cerimónia de hasteamento da Bandeira-Monumento é o primeiro momento das festividades dos 40 anos de independência, sendo presidida pelo vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente, no Museu Nacional de História Militar.

O ato central, na Praça da República, tem início previsto para as 9h45, com a deposição, por José Eduardo dos Santos, de uma coroa de flores no túmulo do Presidente António Agostinho Neto.

O alinhamento prevê, ainda, a realização de um desfile de vários blocos da sociedade civil e um outro militar, atividades que se prolongam até 12h30, para, às 13h00, o Presidente da República proceder à condecoração de personalidades que se tenham destacado ao longo dos 40 anos da independência de Angola.

A partir das 13h30, José Eduardo dos Santos oferece um banquete oficial a chefes de Estado e de governo convidados para testemunhar a efeméride.

As festividades terminam, a partir das 17h00, com um espetáculo musical no Estádio Nacional da Cidadela.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade