Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

ÁFRICA

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

ÁFRICA

Condições do FMI na África atual

MUNDO

Odebrecht e Microsoft firmam acordo de cooperação científica e tecnológica

ÁFRICA

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

BRASIL

Entrevista Celso Marcondes - “O Brasil deve retomar sua política externa de integração”

Rádio

Publicidade

Política

Obiang diz que povo equato-guineense apostou em paz e estabilidade

| Editoria Política | 22/05/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema, disse esta sexta-feira que o povo equato-guineense apostou na continuidade da paz e da estabilidade. A declaração foi feita na cerimónia de tomada de posse do chefe de Estado para um novo mandato de sete anos.

«A resposta maciça do povo e o ambiente de paz destas eleições envia uma mensagem clara aos detratores da nossa democracia, que tentam utilizar meios antidemocráticos e violentos»
(DR)

Rodeado por vários presidentes e primeiros-ministros africanos, Obiang, há 36 anos no poder, afirmou que os eleitores «apoiaram de forma maciça» a sua candidatura, que teve 93% dos votos nas eleições presidenciais de 24 de abril – que, salientou, «os observadores internacionais classificaram como transparentes, justas e legais».

«A continuidade da paz, da estabilidade política e do desenvolvimento económico e social que o nosso país vive não deve ser interrompida», advertiu Obiang no discurso de tomada de posse, em que acrescentou: «Se a máquina não está estragada, para quê repará-la?».

O Presidente equato-guineense sustentou que a confiança do povo na sua «humilde pessoa» se refletiu na «esmagadora maioria de votos» a favor da sua candidatura.

«Sou o Presidente da República e de toda a nação equato-guineense e, como tal, o meu dever é defender e servir o povo, proteger a unidade nacional e a sua integração territorial e promover o bem-estar de todos os cidadãos», sublinhou Obiang. «A resposta maciça do povo e o ambiente de paz destas eleições envia uma mensagem clara aos detratores da nossa democracia, que tentam utilizar meios antidemocráticos e violentos, porque a sua sabedoria e a sua maturidade política está acima destas práticas insidiosas que tentam lançar a instabilidade e a desordem», sustentou o chefe de Estado há mais tempo no poder em África.

Obiang mencionou que os próximos sete anos constituem uma «etapa crucial» do processo de desenvolvimento do país, defendendo a necessidade de «consolidar o estado emergente da Guiné Equatorial em todos os sentidos».

No seu discurso, o Presidente deu prioridade às relações de cooperação com os países africanos, a fim de «fortalecer a unidade de critérios que emanam da Carta da União Africana, para contribuir para o equilíbrio mundial e para a luta contra a pobreza, o terrorismo e as instabilidades».

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade