Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2018

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

Política

Supremo Tribunal da Costa do Marfim diz que condenação de Simone Gbagbo é definitiva

| Editoria Política | 27/05/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Supremo Tribunal da Costa do Marfim rejeitou o recurso de cassação de Simone Gbagbo, determinando assim a sua condenação definitiva a 20 anos de prisão por atentado à segurança do Estado, anunciou um dos seus advogados.

Simone Gbagbo, esposa do ex-Presidente Laurent Gbagbo, atualmente presa em Abidjan, foi condenada a 10 de março de 2015 a 20 anos de prisão
(DR)

«O Supremo Tribunal rejeitou, quinta-feira, o nosso recurso», afirmou Rodrigue Dadjé, criticando aquilo que disse ser uma «decisão política» e considerando existirem «argumentos jurídicos para anular a condenação».

Simone Gbagbo, esposa do ex-Presidente Laurent Gbagbo, atualmente presa em Abidjan, foi condenada a 10 de março de 2015 a 20 anos de prisão, por atentado a segurança do Estado – um veredito duro, porquanto duplica as decisões da Procuradoria-geral, que havia pedido 10 anos de prisão.

Simone foi julgada com 78 corréus pelo seu envolvimento na crise causada pela recusa de Laurent Gbagbo de reconhecer a vitória de Alassane Ouattara nas presidenciais de novembro de 2010. A onda de violência que marcou a crise pós-eleitoral de 2010-2011 causou mais de 3 mil mortes em cinco meses.

Michel Gbagbo, filho do ex-Presidente, nascido de um primeiro casamento, com uma francesa, foi condenado a cinco anos de prisão.

Simone Gbagbo comparecerá a partir de 31 de maio, em Abidjan, perante um tribunal, desta feita por crimes contra a humanidade durante a crise pós-eleitoral.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade