Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

ÁFRICA

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

ÁFRICA

Condições do FMI na África atual

MUNDO

Odebrecht e Microsoft firmam acordo de cooperação científica e tecnológica

ÁFRICA

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

BRASIL

Entrevista Celso Marcondes - “O Brasil deve retomar sua política externa de integração”

Rádio

Publicidade

Opinião

O Acordo Ortográfico

José Carlos de Vasconcelos | Editoria Opinião | 02/06/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Não vou entrar aqui no estafado debate sobre o Acordo Ortográfico (AO) numa perspetiva técnica, da preservação das raízes ou da «pureza» da Língua. Nem tenho competência para isso (embora veja perorar a tal propósito quem desconfio que ainda tem menos…), nem isso é agora o que interessa. Saliento apenas o meu espanto perante a virulência de ataques que lhe são feitos, acusando-o, ao AO, de destruir ou desfigurar a nossa língua, perpetrando contra ela as maiores barbaridades! O que pressupõe, pelo menos, terem sido uns ignaros ignorantes na matéria os autores de tal malfeitoria. 

Acontece, porém, que na preparação, discussão e aprovação do AO participaram, durante muitos anos, reputados especialistas: universitários e académicos, linguistas, dicionaristas, semiólogos – dos com maior obra sobre o nosso idioma. Podia lembrar vários deles, mas chega um, que além de grande figura cultural e cívica foi talvez o que teve papel mais notório nesse processo e é só o principal responsável pelo maior dicionário da nossa língua, que aliás tem o seu nome: António Houaiss. 

Já na reunião de São Luís do Maranhão, em 1989, na qual os chefes de Estado dos então Sete (de Angola um ministro seu representante) decidiram criar o Instituto Internacional de Língua Portuguesa, foi apresentado um projeto de AO. Depois, amplamente discutido, com numerosas alterações foi aprovado em 1990, para entrar em vigor a 1 de janeiro de 1994, após ratificação de todos os Estados, que obviamente era suposto a ela procederem. Mas só Brasil, Cabo Verde e Portugal então o fizeram, e foram precisos quase mais 20 anos para, após dois protocolos retificativos, ter vigência e ser adotado nos países da nossa língua, com as «poderosas» e lastimáveis exceções de Angola e Moçambique. Que, no entanto, mormente ao nível da CPLP, subscreveram diversas recomendações de concretização geral do Acordo – e ainda recentemente o secretário-executivo da CPLP, moçambicano, afirmou uma vez mais que aqueles dois países o iriam concretizar. 

Tudo isto, e o mais que aqui não cabe, tem muito de surreal… E é, em meu juízo, uma amostra cabal do que (de quem) não «funciona», e/ou anda a passo de caracol, não honra acordos subscritos ou compromissos tomados, não tem a visão e o discernimento necessários para distinguir discordâncias face a opções e normas dum AO, polémico como todos, e reconhecimento da importância e vantagem dele existir. 

Por mim, também acho mal que para, do verbo parar, tenha deixado de levar acento. Mas essa e outras discordâncias são coisas menores, como o são mesmo erros que existam e a todo o tempo podem ser corrigidos, como os principais autores do AO já admitiram. O essencial é que um Acordo tem, entre outras, as enormes vantagens de permitir ou facilitar: 

1)Uma política de língua comum e a utilização de instrumentos para ela e a sua difusão no mundo fundamentais;

2)A utilização do português como língua oficial em grandes instâncias internacionais, como a ONU e a Unesco, e em documentos delas emanados; 

3)O ensino do nosso idioma fora dos países em que é falado, por professores oriundos de qualquer daqueles em que se fala (por exemplo, que sentido fazia os professores brasileiros e portugueses que foram ensinar em Timor-Leste escreverem de forma diferente, e o que numa sala de aula era certo, na sala ao lado era erro?...); 

4)A circulação de livros entre, e edições comuns de, vários países da CPLP (recente excelente exemplo: as notáveis Obras Completas do Padre António Vieira, em 30 volumes, organizadas e editadas em Portugal só saíram também no Brasil por terem a ortografia atualizada, segundo o Acordo).

E já agora, por último, uma pergunta: o que conseguirão fazer em conjunto os membros da CPLP (sem o ‘aborto’ da Guiné Equatorial) se não conseguirem sequer pôr todos em prática alguma coisa que aprovaram há 26 anos – uma grafia o mais possível comum, e que até integra algumas justificáveis diferenças?... 

José Carlos de Vasconcelos

[Texto publicado na edição N.º 108 da revista África21]

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade