Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Junho de 2019

ANGOLA

Situação Económica de Angola

ANGOLA

Informação e Percepção da Economia Angolana

ANGOLA

Recordar o passado para encontrar soluções

ÁFRICA

FATALIDADES E ESPERANÇAS DA ECONOMIA AFRICANA

AFEGANISTÃO

LISTA NEGRA DOS SOLDADOS DO PROFETA

ANGOLA

OS DESAFIOS PARA AS ELEIÇÕES DE 2022

ÁFRICA

ADAPTAR OS EXÉRCITOS AFRICANOS AOS NOVOS INIMIGOS

ANGOLA

MPLA - O CONGRESSO DO REJUVENESCIMENTO

Rádio

Publicidade

Política

CPLP pede diálogo construtivo na Guiné-Bissau e elogia serenidade

| Editoria Política | 04/06/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) afirmou-se preocupada com a crise política na Guiné-Bissau e defendeu um «diálogo construtivo» entre os diferentes atores políticos, saudando a serenidade das forças de defesa e segurança.

O bloco lusófono saúda «a serenidade que os órgãos de defesa e segurança têm sabido manter»
(DR)

Em comunicado, a organização lusófona afirma-se «preocupada com os recentes desenvolvimentos da situação política na Guiné-Bissau» e «reitera o apelo à calma de todos os intervenientes e ao respeito pela Constituição e pelas demais leis da República, no quadro do normal funcionamento do Estado de Direito».

A CPLP defende que «só através do diálogo construtivo entre todos os atores guineenses e do respeito pela Constituição da República será possível uma solução, pondo termo ao cenário de indefinição política».

O bloco lusófono saúda «a serenidade que os órgãos de defesa e segurança têm sabido manter». A organização afirma igualmente que continua empenhada «na prossecução de um consenso político durável na Guiné-Bissau que assegure a estabilidade e o desenvolvimento económico e social, tão almejados pelo povo guineense», uma posição que partilha com os demais parceiros internacionais, nomeadamente as Nações Unidas, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), a União Africana e a União Europeia.

No comunicado, a CPLP sublinha ainda o seu «compromisso de solidariedade com o povo guineense, conforme os princípios consagrados na sua declaração constitutiva».

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade