Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Sociedade

Afroamericana é nova Miss EUA

| Editoria Sociedade | 07/06/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A afro-americana Deshauna Barber, representante da capital dos Estados Unidos, tornou-se esta segunda-feira Miss EUA 2016, avançando assim para o concurso Miss Universo, que decorrerá no teatro T-Mobile Arena, em Las Vegas (Nevada).

Barber, de 26 anos, juntou-se ao Exército com 17, seguindo o exemplo dos seus irmãos e do seu pai
(DR)

Esta foi a primeira vez em 14 anos que uma representante de Washington, conhecida como «a cidade do chocolate», devido à sua forte presença negra, conseguiu ganhar a coroa de Miss EUA, o que lhe permite concorrer ao galardão de Miss Universo.

Barber, de 26 anos, juntou-se ao Exército com 17, seguindo o exemplo dos seus irmãos e do seu pai, que foi enviado para o Iraque depois dos ataques do 11 de setembro.

«Considero uma tradição familiar. É algo que corre nas nossas veias, o patriotismo, o serviço ao nosso país. É algo que levamos muito a serio», relata Barber num vídeo anterior ao concurso de beleza e onde se podem ver imagens icónicas da capital dos Estados Unidos da América (EUA), como o monumento de Abraham Lincoln.

O concurso de beleza Miss EUA deste ano foi marcado pela rutura com Donald Trump, republicano nomeado para as eleições presidenciais de novembro, e que presidiu aos concursos de beleza Miss EUA e Miss Universo entre 1996 e 2015. A rutura entre Trump e a organização dos dois eventos deveu-se ao lançamento da sua campanha, onde chamou «criminosos» e «violadores» aos mexicanos e prometeu construir um muro na fronteira entre o México e os EUA. Em resposta, o magnata apresentou uma queixa contra os canais de televisão que retransmitem o concurso, Univision e NBC, por considerar que estes «romperam bruscamente» um contrato com a Organização Miss Universo, da qual ele seria o dono.

As queixas resolveram-se com um acordo, e o magnata imobiliário vendeu os direitos que detinha dos concursos de beleza.

Redação com Agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade