Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

Desporto

Na inauguração "senti-me como no filme Sozinho em Casa"

| Editoria Desporto | 16/08/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O antigo Presidente do Brasil Lula da Silva disse, esta segunda-feira, sentir-se "esquecido" durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, sublinhando que sem o seu trabalho o evento desportivo não teria chegado ao Brasil.

A escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos foi feita em 2009 em Copenhaga, durante o segundo mandato de Lula da Silva
DR

"Na inauguração, senti-me como no filme Sozinho em casa (...) e dei-me conta de que não haveria Jogos Olímpicos se não fosse eu", assinalou o ex-chefe de Estado num ato público realizado na cidade de Santo André, na região metropolitana de São Paulo.

A escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos foi feita em 2009 em Copenhaga, durante o segundo mandato de Lula da Silva, enquanto a sua organização foi gerida sob o chapéu da sua sucessora, Dilma Rousseff.

A inauguração dos Jogos Olímpicos, contudo, foi encabeçada pelo Presidente interino, Michel Temer, que desde 12 de maio substitui Dilma Rousseff, afastada do cargo para o início de um processo que visa a sua destituição do cargo.

Lula também rebateu as críticas sobre a eleição do Rio como palco dos Jogos por causa da pobreza que ainda existe na cidade, apontando que os Olímpicos "não foram feitos para acabar com as favelas".

"É um evento desportivo. Em 500 anos de história, o Brasil não foi mostrado ao mundo da forma que o foi nos últimos 30 dias", acrescentou.

Redação com agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade