Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Setembro de 2017

ÁFRICA

Oposições e renovação política em África

ANGOLA

Para bom entendedor

GUINÉ-BISSAU

Acode, ninguém acode!

BURKINA FASO

Bodas de prata do FESPACO

Rádio

Publicidade

Ambiente

Criada no Havaí a maior reserva marinha do mundo

| Editoria Ambiente | 27/08/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ampliou na sexta-feira o seu legado ambiental ao criar a maior reserva marinha do mundo, lar de milhares de criaturas raras nas ilhas do noroeste do Havaí.


DR

O anúncio de Obama mais do que quadruplicou o tamanho da área protegida existente, conhecida como Monumento Nacional Marinho Papahanaumokuakea, que passou a ter 1,5 milhão de quilómetros quadrados - cerca de quatro vezes o tamanho da Califórnia.

As águas são o lar de recifes de corais e centenas de animais que não são encontrados em nenhum outro lugar na Terra, incluindo uma nova espécie de polvo 'fantasma' descoberta neste ano e o organismo vivo mais antigo do mundo, o coral negro, com uma idade estimada em 4.265 anos.

Cerca de 14 milhões de aves marinhas voam sobre a área e fazem seus ninhos nas ilhas, incluindo um albatroz de 65 anos de idade chamado Wisdom. No local também vivem tartarugas-verdes ameaçadas e focas monge do Havaí, em perigo de extinção.

O monumento marinho foi criado em 2006 pelo então presidente George W. Bush, e em 2010 foi declarado Património Mundial da Unesco.

"Ao expandir o monumento, o presidente Obama aumentou a protecção de um dos lugares mais significativos do planeta, biológica e culturalmente", disse Joshua Reichert, vice-presidente da ONG Pew Charitable Trusts.

O Greenpeace também saudou o que chamou de uma "decisão corajosa", que irá proibir a pesca comercial e a extracção mineral na região.

O senador Brian Schatz, um democrata do Havaí, disse em um comunicado que a expansão vai criar "uma zona de segurança que irá repor os stoque de atum, promover a biodiversidade e combater as mudanças climáticas".

Obama "deu aos nativos havaianos mais voz na gestão deste recurso precioso", disse Schatz.

O anúncio chega poucos dias antes do início de um grande encontro global de conservação, que vai contar com a presença de milhares de chefes de estado, cientistas e políticos.

O congresso mundial da União Internacional para a Conservação da Natureza é realizado a cada quatro anos em lugares diferentes. Este ano, Obama receberá o evento no Havaí entre os dias 1 e 10 de Setembro.

O presidente americano também vai viajar para as Ilhas Midway, dentro da área protegida, para enfatizar sua decisão.

Lá, ele vai defender que as mudanças climáticas "fazem com que proteger nossas terras e águas públicas seja mais importante do que nunca", segundo a Casa Branca.

O momento do anúncio de Obama é importante porque "irá inspirar, provavelmente, as pessoas que estão mais interessadas e mais engajadas na conservação", disse Rand.

Obama fez da conservação e das mudanças climáticas um pilar central da sua presidência - diante da oposição republicana no Congresso -, promovendo acordos internacionais sobre o clima e parques nacionais.

Redação com agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade