Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2017

MARROCOS

A nova potência africana?

ANGOLA

Pré-campanha já começou

ÁFRICA

A agricultura africana clama por uma justiça climática

MOÇAMBIQUE

Descentralização e questões militares ditam o futuro

Rádio

Publicidade

Saúde

Os milhões que faltam para a luta contra a tuberculose, malária e SIDA

| Editoria Saúde | 18/09/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A


DR

Uma conferência internacional de doadores definiu o objetivo de angariar 13 mil milhões de dólares para a erradicação até 2030 da SIDA, tuberculose e malária.

O primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau é o anfitrião da quinta conferência trienal de reposição do Fundo Global da luta contra estas doenças, que contou com a presença do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e de meia dúzia de chefes de estado.

Criado como uma iniciativa público-privada, o Fundo Global gastou até hoje cerca de 30 mil milhões de dólares em programas de luta contra as três doenças mortais em todo o mundo, com a maior fatia a ser gasta em África.

O Fundo Global terá ajudado a salvar 22 milhões de pessoas e a prevenir 300 milhões de infeções nos últimos dez anos, e tenta atingir o objetivo da ONU de erradicar a SIDA até 2030 e as outras doenças ainda antes dessa data.

No entanto, precisa de angariar mais 13 mil milhões de dólares para custear as suas atividades nos próximos três anos.

"Ainda temos muito que fazer para terminar com estas epidemias", referiu o fundador da Microsoft, Bill Gates. "Mas estou otimista que vamos conseguir. Uma questão chave é que temos a Ciência do nosso lado", acrescentou.

Mais de 100 países já receberam ajuda do Fundo Global, mas 70% de todo o montante gasto foi para países africanos.

Nigéria, República Democrática do Congo, Quénia, África do Sul, Tanzânia e Uganda receberam a fatia maior.

Em Montreal, os presidentes do Senegal, Macky Sall, Mali, Ibrahim Boubacar, e Costa do Marfim, Alassane Ouattara, reiteraram a urgência de salvar vidas.

Redação com agência

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade