Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Opinião

O fracasso da esquerda - 1

João Melo | Editoria Opinião | 12/10/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O mundo de hoje está perigosamente parecido com o da década de 1930. Uma das causas é a incapacidade das forças de esquerda de oferecerem alternativas. Ora, quando os partidos tradicionais convergem todos para o centro, tornando-se demasiado «iguais», os partidos extremistas crescem e ganham importância. Há quase cem anos, na Alemanha, isso conduziu ao nazismo e à Segunda Guerra Mundial. 

As mudanças que empurraram o mundo para o presente impasse começaram por ocorrer no plano económico e tecnológico. Desde o princípio dos anos 80, nos tempos de Reagan e Thatcher, assim como do programa televisivo Liberdade para Escolher, do economista Milton Friedman, o neoliberalismo foi impondo o seu caminho mediante um discurso que levou milhões e milhões de pessoas, pobres e ricas, a olharem para o Estado como um simples usurpador dos seus rendimentos, como bem notou o jornalista português Pedro Tadeu. A chamada «Revolução da Comunicação» permitiria que essa visão se tornasse, como hoje se diz, «viral». 

Assim, quase quarenta anos depois, respeitáveis e brilhantes doutores, jornalistas influentes e populares, banqueiros e empresários admiráveis, governantes de todo o mundo ocidental, continuam a ter, apoiados por uma formidável panóplia de meios de comunicação, um inegável sucesso no seu objetivo de inocular nas massas o vírus do ódio ao Estado, pesem embora os escândalos na alta finança e na banca em todo o mundo. Formou-se, à escala planetária, uma «classe-mídia» (expressão do sociólogo brasileiro Muniz Sodré), que engole e reproduz a narrativa neoliberal, não só económica, mas também política, de modo perfeitamente – recupero a palavra exata – alienado.

Como reagiram as forças situadas historicamente à «esquerda» (da social-democracia à extrema esquerda) a tais transformações? O foco do presente texto será a atuação das forças de esquerda, incluindo, portanto, os social-democratas, que estão ou que estiveram no poder em países onde existe ao mesmo tempo um sistema económico capitalista e uma democracia política representativa. A questão é: a esquerda nesses países, uma vez no poder, foi capaz de apresentar uma alternativa efetiva ao modelo neoliberal hegemónico, nos planos económico, político e geopolítico? 

A resposta é não. Nos anos 90, depois da retirada de Reagan e Thatcher, os partidos de centro-esquerda bem-sucedidos decidiram por vontade própria limitar-se a redistribuir os despojos, ao invés de apresentarem uma alternativa ao capitalismo global. Como observou o alemão Wolfgang Munchau, editor do Financial Times, os líderes da chamada «3.ª Via» –

Bill Clinton nos EUA, Tony Blair no Reino Unido, Gerhard Schröder na Alemanha, entre outros – foram basicamente centristas.  

Alguns deles não hesitaram, inclusive, em apoiar e envolver-se na segunda fase da estratégia neoliberal de dominação global: a introdução de drásticas mudanças geopolíticas no panorama mundial, no embalo da queda do Muro de Berlim. A intervenção americana no Iraque, apoiada por Blair e outros, foi o sinal de arranque dessa estratégia. 

Já neste século, e embora seja possível encontrar diferenças entre as forças de esquerda que estão ou estiveram no poder, por exemplo, na Europa, na América Latina ou na África, pode também antecipar-se que, no plano económico, a maior parte delas tem apoiado as políticas de austeridade aplicadas desde a crise financeira de 2008/2009. No plano politico, a maioria das forças de esquerda, quando chegou ao poder, reproduziu a velha crença das forças direitistas e conservadoras de que a sociedade pode ser moldada e transformada de cima para baixo, graças à ação do Estado. Por outro lado, deixou-se contaminar pelo erro mais elementar que as esquerdas vêm cometendo desde o século XX: a corrupção. 

Finalmente, no plano geopolítico, a confusão das esquerdas que têm alcançado o poder nas democracias de tipo ocidental é quase total. A esquerda europeia, sobretudo, parece não perceber nada, por exemplo, das «revoluções coloridas» no leste europeu, das «primaveras árabes» ou dos acontecimentos em África. A sua convicção de que é preciso contribuir para a democratização desses espaços tem-na levado, ingenuamente, a apoiar a «lúmpen-democracia» e a andar de braço dado com os próprios «cavaleiros» do neoliberalismo, como o megaespeculador George Soros. 

Na próxima edição voltarei ao tema desta crónica. 

João Melo

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade