Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Soldados senegaleses que lutaram pela França exigem a cidadania francesa

| Editoria Política | 12/11/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cerca de mil antigos soldados senegaleses do exército francês durante o período colonial – os “cães negros do Império”, como lhes gostava de chamar o ex-presidente Leopold Sedar Senghor - continuam à espera da cidadania francesa. Alguns deles são condecorados e todos os anos participam nas cerimónias de homenagem aos antigos combatentes franceses. Desde 2007, todos eles recebem uma reforma. Contudo, os seus pedidos de naturalização têm sido sistematicamente rejeitados.


A maioria tem hoje por volta de 80 anos de idade ou mais. Mas, com o apoio de Aissata Seck, uma franco-senegalesa que é administradora adjunta da comuna de Bondy, travam aquele que é talvez o seu ultimo combate pela naturalização francesa. Com efeito, Aissata, ela própria filha de um antigo atirador, submeteu às autoridades centrais uma petição coletiva em nome de trinta ex-soldados senegaleses do exército francês que moram na respetiva comuna reclamando o direito à cidadania francesa.

A petição, já assinada por 2.500 pessoas, teve uma grande repercussão. Várias personalidades aderiram à iniciativa, prometendo apoio para que a mesma tenha sucesso, a começar pelo presidente da Assembleia Nacional francesa, Claude Bartolone, que recebeu os ex-soldados no palácio de Bourbon. Os atores Jamel Debouze, personagem do filme “Indígenas”, e Omar Sy, cujo pai é senegalês, o jornalista e cofundador do site Rue89, Arnaud Aubron, o diretor do Instituto Montaigne, Laurent Bigorne, e os deputados Cécile Duflot, Alexis Bachelay e Olivier Véran contam-se igualmente entre as personalidades que já deram o seu apoio ao documento.

Entretanto, em visita ao Senegal, o ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault, reconheceu o “dever de reconhecimento” das autoridades francesas em relação aos antigos soldados africanos que combateram pela França. Depois de criticar a lentidão em resolver o assunto, apelou à “justiça, simplesmente”.

Segundo a imprensa francesa, o dossiê está na mesa do presidente François Hollande. “Se houver vontade política, o assunto é fácil de resolver”, acredita a administradora adjunta da comuna de Bondy. Para o coronel Ndongo Dieng, um dos ex-militares senegaleses que reclama pela cidadania francesa, “o nosso problema não é a naturalização, mas a reintegração: nós fomos franceses durante mais de 300 anos”.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade