Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Sarkozy recebeu malas de dinheiro de Khadafi

| Editoria Política | 15/11/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O empresário franco-libanês Ziad Takieddine voltou a afirmar que o antigo líder da Líbia, Muammar Khadafi, financiou a campanha do ex-presidente Nicolas Sarkozy em 2007.

Sarkozy com Khadafi

Em entrevista ao portal Mediapart, Takieddine declarou que, naquele ano, fez três viagens da capital da Líbia, Trípoli, até Paris, com malas de dinheiro que deveriam ser entregues em mão a Nicolas Sarkozy e ao seu chefe de gabinete, Claude Guéant.

Ele explicou que, em cada viagem, transportou uma mala com 1,5 a dois milhões de euros em notas de 200 e 500 euros. As malas, acrescemntou, foram-lhe entregues pelo chefe dos serviços de informação de Muammar Khadafi.

As suspeitas do financiamento da campanha de Nicolas Sarkozy pelo regime libio surgiram pela primeira vez em 2011 numa altura em que o Governo francês, liderado por Sarkozy, estava a preparar uma intervenção militar na Líbia, para a qual arrastou os países da Nato, incluindo os EUA, que a princípio estavam relutantes em faze-lo.

Na sequência dessa intervenção, feita à margem das Nações Unidas, Khadafi foi derrubado e assassinado em plena rua, quando estava a ser conduzido pelos seus captores. Por isso, muitos observadores suspeitam que o então presidente francês mandou matar o antigo líder líbio.

Nicolas Sarkozy, novamente candidato a presidente da França, desmentiu várias vezes essa história. Em 2013, a justiça francesa ouviu várias testemunhas para apurar os factos. Após anos de inquéritos legais, ninguém foi condenado.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade