Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Economia

Conferência de doadores da RCA começa hoje em Bruxelas

| Editoria Economia | 16/11/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Um ano e meio, aproximadamente, depois da realização das eleições que permitiram o retorno à normalidade constitucional na República Centro-Africana (RCA), tem início hoje em Bruxelas mais uma conferência de doadores para tentar mobilizar os fundos necessários para o arranque da reconstrução e do desenvolvimento do país.


Os antecedentes não são favoráveis. Os fundos mobilizados nas duas conferências anteriores, em 2014 (496 milhões de dólares) e 2015 (280 milhões de dólares) não chegaram a ser integralmente desembolsados, pelo que continuam por realizar tarefas essenciais para consolidar a estabilidade da RCA, tais como prestar ajuda humanitária às vítimas do conflito que abalou o país em 2013 ou levar a cabo um programa de desarmamento, desmobilização, reinserção e repatriamento.

A RCA é um país com um território maior do que Portugal e Espanha juntos, encravado no centro de África, mas que tem apenas 4,6 milhões de pessoas. Caracterizado pela ausência total de Estado, conflitos permanentes e pobreza generalizada, a sua população sinalizou claramente no ano passado, com a sua ida massiva às urnas, que deseja virar a página. Mas a falta de fundos impede o recomeço do país.

As promessas da comunidade internacional não bastam. Os 65% de centro-africanos sem acesso à água potável, as 10 mil crianças obrigadas a deixar as suas escolas, ocupadas pelos antigos soldados à espera de serem desmobilizados e reintegrados socialmente, as 200 mulheres que sofrem abusos quotidianos reclamam mais do que isso.

As verbas prometidas são imprescindíveis para resolver esses problemas e também para reconstruirem o tecido produtivo e o sistema de arrecadação da RCA. Sem isso, o país, que há 30 anos está sob qualquer forma de intervenção da ONU, continuará inviabilizado.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade