Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Economia

Doadores prometem mais de 2 mil milhões de euros para reconstruir República Centro-Africana

| Editoria Economia | 19/11/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Oitenta países, organizações e agências internacionais prometeram mais de 2 mil milhões de euros para ajudar a estabilização da RCA nos próximos três anos, no termo de uma conferência internacional de doadores que teve lugar em Bruxelas, nos dias 17 e 18 deste mês (quinta e sexta-feira).


Aspeto de campo de refugiados na RCA

A República Centro-Africana (RCA), que viveu uma grave crise política, militar, económica e social desde 2013, quando os rebeldes muçulmanos Seleka derrubaram o Governo do Presidente François Bozizé, entrou num período de relativa normalização a partir de março deste ano, depois da realização das eleições gerais.

O país está ansioso e pronto para começar a reconstrução, mas depende de financiamento. O programa de mais de 2 mil milhões de euros acordado entre os doadores e a RCA é vasto e ambicioso. “É um mapa claro. A comunidade internacional tem um papel fundamental neste plano", disse Federica Mogherini, alta representante da UE para a política externa, lembrando que em termos de reconstrução "as necessidades são enormes".

Aquele montante faz parte de um plano de cinco anos estimado em cerca de 3 mil milhões. O plano que o governo do país desenvolveu com o Conselho da UE, o Banco Mundial e as Nações Unidas divide-se em três eixos: alcançar a paz, a reconciliação e a segurança; restabelecer o controlo territorial do Estado e os serviços básicos, como água e educação; recuperação económica. 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade