Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2017

ANGOLA

O ano da(s) mudança(s)

ANGOLA

Melhorar a qualidade da despesa no quadro do OGE 2017

GÂMBIA

CEDEAO segura democracia

ESTADOS UNIDOS

Os primeiros 10 dias de Trump

Rádio

Publicidade

Economia

Hidroelétrica de Laúca, em Angola, entra na fase de conclusão

| Editoria Economia | 07/12/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cerca de 500 pessoas das aldeias localizadas na área da albufeira do projeto hidroeléctrico de Laúca começaram a ser realojadas este mês no município de Mussende, província do Cuanza Sul, para permitir o enchimento do reservatório a partir de fevereiro do próximo ano.


O enchimento da albufeira vai durar 120 dias, para permitir o arranque da produção de energia elétrica a partir da primeira turbina em julho do próximo ano. Neste momento, estão a ser instaladas as linhas de transporte de energia que vão ligar Laúca a Capanda, cujas obras ficam concluídas no final deste mês. Serão ainda construídas, no âmbito do projeto Laúca, as linhas de transporte de energia de Laúca/Cambambe, Laúca/Cacuso/Calandula e Malanje.

Considerado o maior projeto de engenharia civil e mecânica de Angola, a Barragem de Laúca está localizada a 47 quilómetros do Aproveitamento Hidroelétrico de Capanda, situada em Malanje, e a 400 quilómetros de Luanda.

Com um investimento de cinco mil milhões de dólares, envolvendo a construção, produção, fornecimento e colocação em serviço do sistema de transporte de energia, o empreendimento hidroelétrico de Laúca é a terceira barragem em construção no leito do rio Cuanza, depois de Cambambe e Capanda, e a segunda maior barragem em construção no continente africano.

A entrada em funcionamento da central principal, a partir do primeiro semestre do próximo ano, vai beneficiar mais de cinco milhões de pessoas das regiões norte, centro e sul do país. O projecto surgiu a partir de um estudo de inventário realizado na década de 1950, solicitado pela então SONEFE à empresa Hydrotechnic Corporation (USA). Foi retomado em 2008, com a realização dos estudos de viabilidade solicitados pelo governo angolano à brasileira Odebrecht.

Laúca emprega 7.643 trabalhadores nacionais e 385 estrangeiros. Oriundos de todas as províncias do país, os trabalhadores angolanos, na sua maioria jovens, recebem formação em diversas matérias. No futuro, vão garantir a manutenção da barragem.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade