Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

ÁFRICA

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

ÁFRICA

Condições do FMI na África atual

MUNDO

Odebrecht e Microsoft firmam acordo de cooperação científica e tecnológica

ÁFRICA

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

BRASIL

Entrevista Celso Marcondes - “O Brasil deve retomar sua política externa de integração”

Rádio

Publicidade

Economia

Recuperar a confiança, precisa-se

| Editoria Economia | 06/12/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Governo de Moçambique declarou incapacidade financeira para pagar as próximas prestações de dívida pública, entre elas as dos «empréstimos escondidos», que levaram o FMI e os parceiros internacionais a cancelar os seus financiamentos ao país. Agora procura renegociar a dívida pública, avaliada em 11,2 mil milhões de dólares, e que está a provocar no país a maior crise económica e financeira desde o fim da guerra civil em 1992.

Vista aérea de Maputo

A deterioração da situação macroeconómica e fiscal em Moçambique deixa o Governo sem capacidade de fazer pagamentos a credores comerciais externos em 2017 e muito pouca capacidade de fazer pagamentos até 2022, mesmo num cenário otimista», afirmou o Governo moçambicano, numa declaração divulgada pelo Ministério da Economia e Finanças moçambicano a 16 de novembro.

A recuperação da confiança do Fundo Monetário Internacional (FMI), dos doadores e dos mercados internacionais está dependente da resolução da crise da dívida num país que vive também, desde as eleições gerais de 2014, na iminência de um reacender de conflitos entre a Frelimo, partido no poder, e a Renamo, maior partido da oposição.

A descoberta, em abril deste ano, de empréstimos contraídos entre 2013 e 2014 pelo anterior Governo moçambicano para empresas estatais que foram ocultados das contas públicas, levou o FMI e os doadores internacionais a retirarem ao país uma ajuda vital para financiar o orçamento de Moçambique. Em consequência, este ano, o metical já se desvalorizou mais de 40%, e a inflação subiu de 5% em setembro de 2015 para 25% em setembro deste ano. Os serviços públicos deterioraram-se e, nas ruas, teme-se que ao aumento dos combustíveis, da eletricidade e da água se siga o aumento do preço do pão, responsável em situações anteriores pela ocorrência de violentos protestos.

Teresa Souto

Artigo completo disponível na edição nº 114 da revista ÁFRICA 21 (Dezembro 2016-Janeiro 2017)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade