Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2018

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

CONGO RD

DESTAQUE RD CONGO

AFEGANISTÃO

O DILEMA AMERICANO DA RETIRADA SEM GLÓRIA

NOVA CALEDÓNIA

A colonização em questão na Nova Caledónia

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

Rádio

Publicidade

Política

Eleições apertadas no Gana

| Editoria Política | 06/12/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Os dois principais candidatos, o presidente cessante, John Dramani Mahama, e o líder histórico da oposição, Nana Akufo-Addo, estão praticamente empatados nas intenções de votos dos eleitores ganenses, que vão às urnas esta quarta-feira, 7 de dezembro.


Mahama, 52 anos, candidato do Congresso Nacional Democrático (NDC), disputa o seu segundo mandato. Ele chegou ao poder interinamente em 2012, quando o seu antecessor, John Atta Mills, morreu de doença súbita, e, nesse mesmo ano, foi eleito pela primeira vez. Por sua vez, Akufo-Addo, líder do NPP, concorre pela segunda vez, depois da sua derrota por menos de 1% em 2012. Na altura, ele contestou o resultado, mas o Tribunal Supremo não lhe deu razão.

No Gana, a alternância política tem corrido bem até agora, mas, em contrapartida, a violência entre os partidários dos diferentes partidos tem aumentado desde as anteriores eleições. Por isso, as autoridades policiais temem que, desta vez, possa haver distúrbios “de proporções perigosas” depois das eleições.

A tensão é tal que os sete candidatos comprometeram-se perante o presidente do Tribunal Supremo do Gana, Georgina Wood, a respeitarem o resultado da votação popular e a absterem-se de toda a violência. O presidente em exercício afirmou na altura: - “A nossa democracia é demasiado importante para ser dilapidada por uma luta desenfreada para alcançar ou manter o poder”.

Antiga colónia britânica, o Gana, além da relativa estabilidade política, distingue-se igualmente dos seus vizinhos pela sua independência monetária. Mas, presentemente, a sua moeda – o cedi – está a sofrer os efeitos da inflação de dois dígitos registada no país. Entretanto, o crescimento económico continua positivo, apesar de ter diminuido durante os quatro anos de mandato do presidente Mahama. Ao mesmo tempo, os preços dos combustíveis e dos géneros alimentares não param de crescer.

A situação penaliza os investimentos. Em consequência disso, os bancos ganenses endureceram as condições de crédito, elevando os juros para 33%. O país sofre também os efeitos da baixa dos preços dos seus principais produtos de exportação: petróleo, ouro e cacau. Tais dificuldades forçaram o Gana a pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2015, tendo recebido 918 milhões de dólares, em troca de “reformas estruturais”.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade