Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2017

MARROCOS

A nova potência africana?

ANGOLA

Pré-campanha já começou

ÁFRICA

A agricultura africana clama por uma justiça climática

MOÇAMBIQUE

Descentralização e questões militares ditam o futuro

Rádio

Publicidade

+ Angola

Mortalidade infantil e mortalidade materna diminuem drasticamente em Angola

| Editoria + Angola | 17/12/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Angola tornou-se o décimo estado em toda a África e o quarto na África Austral com menos mortes de crianças à nascença. Segundo dados doInquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde de 2015-2016, a publicar oficialmente na próxima quinta-feira, 22, em Luanda, em mil nascimentos vivos nesse período são registados apenas 44 mortes. Há cinco anos, a relação era de 115 falecimentos em mil nascimentos vivos.


Os dados contrariam os números recentemente apresentados por organizações internacionais e divulgados por alguns órgãos estrangeiros. De acordo com o director geral do Instituto Nacional de Estatística, Camilo Ceita, estes últimos referem-se a um período logo após o fim da guerra, estando, por conseguinte, desatualizados.

O Inquérito realizado pelo Instituto Nacional de Estatística angolano contou com a participação e o apoio de organismos e instituições internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Banco Mundial.

O relatório que será integralmente divulgado no dia 22 deste mês, correspondente aos dados da mortalidade infantil, é o primeiro de dois relatórios resultantes do referido inquérito. O segundo, a lançar em Fevereiro de 2017, contém dados referentes à mortalidade materna, trabalho infantil, violência doméstica e taxa de prevalência do VIH/Sida. O ministro da Saúde, Luís Gomes Sambo, antecipou que os dados desse segundo relatório demonstram, igualmente, uma redução da mortalidade materna no país.   

“Trata-se de uma evolução extraordinária de um país que saiu de uma fase de pós-conflito e que está a recuperar todo o seu sistema sanitário”, disse o ministro, que já foi diretor da OMS em África.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade