Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2017

ANGOLA

O ano da(s) mudança(s)

ANGOLA

Melhorar a qualidade da despesa no quadro do OGE 2017

GÂMBIA

CEDEAO segura democracia

ESTADOS UNIDOS

Os primeiros 10 dias de Trump

Rádio

Publicidade

Especiais

União Europeia fecha as portas aos migrantes africanos

| Editoria Especiais | 18/12/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A Comissão Europeia assinou no passado dia 15 de dezembro, quinta-feira, um acordo com a Organização Internacional de Migrações (OIM), dependente das Nações Unidas, para estimular o regresso dos migrantes africanos aos seus países de origem antes de chegarem à Europa. A meta da comissão é conseguir 24 mil retornos. O acordo prevê o financiamento à OIM por parte da União Europeia – exatamente 100 milhões de euros - e assistência para alcançar o referido objetivo.


Os migrantes africanos habitualmente usam alguns países do continente, como a Líbia, como plataformas para tentarem chegar à costa europeia (Itália ou Grécia). Travar essas chegadas é a principal estratégia da União Europeia (UE) para “resolver” a crise dos refugiados iniciada em 2015. Entretanto, e como não tem autoridade legal para operar em terceiros países, a parceria com a OIM é fundamental. Assim, a UE decidiu financiar e apoiar a OIM a fazer esse trabalho.

A Líbia – de onde partiram este ano rumo à Europa 200 mil migrantes e refugiados – é o foco principal. A desarticulação das estruturas estatais do referido país, depois da intervenção ocidental no país, impossibilita as autoridades de controlarem os migrantes que usam o território líbio como placa giratória com destino ao continente europeu. Por isso, a UE aliou-se agora à ONU para fomentar o regresso voluntário aos seus lugares de origem dos migrantes que se acumulam no país à espera de partirem, sobretudo, para a Itália. Desses, 38 mil pediram asilo à União Europeia, mas ainda não têm resposta.

De notar que a Líbia é um dos 13 países africanos com os quais a União Europeia deverá assinar um acordo para evitar as migrações. A Comissão já tem os resultados iniciais dos primeiros cinco acordos, sendo o Níger o país onde se registaram até agora maiores avanços. Com efeito, neste momento, o referido país regista 1.500 trânsitos contra 70 mil no passado mês de maio.

No resto dos países com os quais o acordo já foi assinado –Etiópia, Senegal, Mali e Nigéria - os avanços são mais modestos. Além disso, existe o risco de que o tráfico que presentemente não passa pelo Mali seja canalizado através do Níger. 

A Comissão Europeia informou que prendeu 102 traficantes e que 4.430 migrantes regressaram voluntariamente aos seus países de origem. Por outro lado, 2.700 pessoas foram repatriadas pela União Europeia para aqueles cinco países.

Presentemente, a UE está a discutir a conveniência de estender essa estratégia – negociar vantagens com os países de origem ou de trânsito para que cheguem menos migrantes e refugiados à Europa - com outros estados, como Paquistão e o Bangladesh.

Redação, com El País

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade