Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Fevereiro de 2017

ANGOLA

O ano da(s) mudança(s)

ANGOLA

Melhorar a qualidade da despesa no quadro do OGE 2017

GÂMBIA

CEDEAO segura democracia

ESTADOS UNIDOS

Os primeiros 10 dias de Trump

Rádio

Publicidade

Especiais

Kabila usa força para evitar que poder caia na rua

| Editoria Especiais | 20/12/2016

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 Sem eleições e à falta de um acordo político com todas as forças da oposição, o atual presidente da RDC, Joseph Kabila, cujo segundo mandato terminou segunda-feira, 19, decidiu usar a cartada da força, para impedir que o poder caia nas ruas e manter-se no cargo pelo menos até à próxima disputa eleitoral, que ninguém sabe quando vai ocorrer.

Joseph Kabila, presidente da RDC

Assim, e enquanto mandava patrulhar intensamente as ruas da capital do país, Kinshasa, anunciou, na noite de segunda para terça-feira um novo governo, chefiado por Sammy Badibanga, um oposicionista egresso da União para a Democracia e o Progresso Social (UDPS), do histórico Étienne Tshisekedi, o principal rival de Kabila. Não esperou sequer, para isso, pela retomada, prevista para quarta-feira, 21, das negociações atualmente mediadas pela Conferência Episcopal Nacional Congolesa (CENCO), o que, objetivamente, poderia criar um vazio de poder de consequências imprevisíveis.

De lembrar que a constituição do governo anunciado segunda-feira à noite pelo atual presidente da RDC estava previsto num acordo alcançado entre as autoridades congolesas e uma franja minoritária da oposição, alcançado no passado dia 18 de outubro. O referido acordo prevê também que Joseph Kabila se mantenha no cargo durante o período de transição e que as novas eleições sejam realizadas, no máximo, até 18 de abril de 2018. O problema é que esse acordo não é reconhecido pelas duas principais formações políticas da oposição, a UDPS, de Étienne Thisekedi, e o PPRD, de Moise Katumbi. Sem a participação dessas duas formações, o acordo dificilmente será exequível.

Por isso, no dia 8 de Dezembro, a Conferência Episcopal Nacional do Congo (CENCO) lançou uma mediação de última hora para tentar aproximar os defensores do referido acordo e os seus detratores, estabelecendo um período de transição até às novas eleições. Até sexta-feira, 16, ainda não se tinham registado grandes avanços, pelo que os bispos suspenderam a mediação, anunciando a retomada das negociações esta quarta-feira, 21.  

Para já, a demonstração de força do atual presidente está a dar resultados. A explosão que alguns temiam em Kinshasa não aconteceu. De facto, houve alguns atos de violência entre grupos de manifestantes, na sua maioria jovens, e as forças policiais, sobretudo nos bairros populares, mas foram esporádicos. A imprensa estrangeira fala de cerca de uma dezena de mortes. Em Lubumbashi, a segunda cidade da RDC, também houve confrontos entre manifestantes e a polícia. Tiros ocasionais foram escutados durante a noite, mas não há notícias de eventuais vítimas.

Na sequência dessas cenas de violência, o primeiro ministro designado, Sammy Badibanga, fez um apelo à população para que mantenha a calma. De igual modo, apelou à “contenção” por parte das forças da ordem. Mas o principal líder oposicionista do país, Étienne Thisekedi, num vídeo divulgado pelo youtoube, exortou os seus simpatizantes, assim como a comunidade internacional, a “não tratar mais” com Joseph Kabila. “Lanço um apelo solene ao povo congolês para não reconhecer a autoridade de Joseph Kabila e à comunidade internacional para não tratar mais nada com ele em nome da República Democrática do Congo”, disse o velho político, de 84 anos.

Os principais adversários de Kabila acusam-no de ter torpedeado o processo eleitoral para impedir a realização das eleições este dia 20 de Dezembro, tal como estava previsto, a fim de prolongar a sua permanência no poder. Por isso, defendem que ele não pode continuar como presidente nem sequer no período de transição, que na prática começou esta terça-feira. De igual modo, exigem a realização de novas eleições “quanto antes”, ou seja, em 2017. A oposição radical congolesa parece contar com o apoio da União Europeia e dos Estados Unidos, mas os estados africanos estão mais cautelosos, preferindo uma transição mais longa, assim como a manutenção provisória de Joseph Kabila no poder, se isso for necessário para evitar o retorno da guerra.

De recordar que, em 1996 e 2003, a RDC foi praticamente destruída por duas guerras virulentas, cujas consequências se estenderam aos países vizinhos como Angola. Por isso, os estados africanos são os primeiros a não desejar a repetição desse cenário.

Seja como for, a missão da ONU no Congo Democrático (MONUSCA) manifestou esta terça-feira, 20, a sua “profunda inquietude” por aquilo que apresentou como “uma vaga de prisões ocorrida nos últimos três dias em toda a extensão da RDC”. A referida missão fala em 113 detidos, entre os quais dirigentes ou simpatizantes da oposição, ativistas da sociedade civil, defensores dos direitos humanos e profissionais da comunicação.

Por seu turno, a França apelou à União Europeia a reexaminar as suas relações com a RDC, alegando “a gravidade da situação no terreno”. O porta-voz do ministério francês dos Negócios Estrangeiros declarou esta terça-feira: - “No momento em que cessa o mandato constitucional do presidente da República Democrática do Congo, a França está preocupada com as informações dando conta de uma série de detenções em Kinshasa e Lubumbashi. Apelamos às autoridades e às forças de segurança congolesas a agir dentro do respeito pelos direitos do homem”. Paris, lembre-se, é conhecida pelo seu intervencionismo agressivo em África, que já levou a situações desastrosas, como aconteceu recentemente na Líbia.

Pedro Kamaka, revista ÁFRICA21

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade