Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

+ Angola

Presidente angolano ordena inquérito a tragédia ocorrida na abertura do campeonato nacional de futebol

| Editoria + Angola | 11/02/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O presidente angolano, José Eduardo dos Santos, mandou instaurar um inquérito ao incidente ocorrido esta sexta-feira no estádio 4 de Janeiro, na cidade do Uíge, no jogo de abertura do campeonato nacional de futebol, na sequência do qual morreram 17 pessoas, entre elas crianças.


José Eduardo enviou uma mensagem de condolências aos familiares dos falecidos, tendo igualmente orientado as autoridades provinciais do Uíge e o ministério da Juventude e Desportos a prestarem toda a assistência às mais de 60 pessoas feridas, como resultado do mesmo incidente.

O incidente aconteceu quando centenas de pessoas forçaram a entrada no estádio, onde o clube local, Santa Rita de Cássia, que participa pela primeira vez no campeonato, enfrentou o Recreativo do Libolo, com o qual perdeu por uma bola a zero.

Segundo o presidente do clube, Pedro Nzolonzi, havia muita gente sem bilhete que pretendia entrar no estádio à força, tendo, para isso, começado a empurrar os espetadores pagantes. Gerou-se, assim, uma confusão, que os agentes policiais foram incapazes de controlar. Alguns dos mortos foram pisoteados no chão.

Nzolonzi responsabilizou a polícia pelo incidente. Ele disse ter prevenido a corporação a tempo, bastando que a mesma tivesse alargado o cordão de segurança à volta do campo, para impedir os “penetras” de se aproximarem demasiado do recinto.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade