Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Novo presidente da Somália tem passaporte dos EUA: Trump deixa-lo-á entrar?

| Editoria Política | 11/02/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O antigo primeiro ministro da Somália entre 2010 e 2011, Mohamed Abdullahi Farmajo, de 54 anos, foi eleito na última quarta-feira, 8, novo presidente do país, suplantando o presidente cessante, Hassan Sheik Mohamud, considerado favorito. Este último já o felicitou.


Como determina a constituição somali, a eleição foi indireta. A novidade foi que, por razões de segurança, a mesma decorreu num hangar protegido no aeroporto de Mogadíscio. Participaram no ato 329 deputados.

O novo presidente, que tem dupla nacionalidade somali-estadudinense, apresenta-se como um lutador contra a corrupção, alegando igualmente possuir o perfil politico e a experiência necessária para criar as bases de uma nova Somália. Contudo, herda um país destroçado por 25 anos de violência e pela ameaça de um novo período de fome.

O grupo terrorista Al Shabab é um dos seus maiores desafios. O mesmo lançou numa espiral de mortes praticamente semanais não apenas a Somália, mas também o vizinho Quénia.

Outro desafio é a nova política externa dos EUA. Apesar de estes últimos serem um dos principais doadores da Somália, o novo presidente do país, Donald Trump, incluiu os somalis na lista de sete países cujos cidadãos serão proibidos de entrar nos EUA. O veto foi suspenso pelo tribunal de apelação norte-americano, mas a batalha judicial sobre esse assunto está longe de ter terminado.  Trump já ameaçou também reduzir a ajuda económica à Somália.

Entretanto, as elites do país têm esperança de que a eleição de Mohamed Abdullahi Farmajo, que, além de possuir (também) passaporte norte-americano, trabalhou muitos anos nos EUA, possa contribuir para reverter a decisão do presidente americano. Durante a era Obama, os Estados Unidos dobraram a sua presença militar na Somália e concederam uma importante e regular ajuda económica ao referido país africano.

Apesar das denúncias de fraude, as eleições somalis foram das disputas mais participadas e representativas da história recente do país. Pela primeira vez, por exemplo, as mulheres ocupam 30% do parlamento.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade