Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Descentralização e questões militares ditam o futuro

| Editoria Política | 11/03/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

As esperanças de uma paz efetiva em Moçambique coabitam com o cansaço das populações face ao prolongamento da crise político-militar envolvendo o Governo da Frelimo e as forças da Renamo, principal partido da oposição. A proposta de descentralização, que ainda exige um amplo debate nacional, será uma das vias aceitáveis para o fim da instabilidade?

Filipe Nyusi, presidente da República de Moçambique

APESAR DOS ESFORÇOS dos mediadores nacionais e internacionais, Moçambique ainda se debate com as consequências nefastas de um conflito político-militar. A crise vem na sequência das reivindicações de vitória nas eleições gerais de 2014 por parte da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), que acusou a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) de fraude eleitoral. A instabilidade, sobretudo na região centro do país, terá minado a normalidade da vida de milhares de moçambicanos desejosos de uma paz real, principalmente nas províncias afetadas pelos confrontos entre forças governamentais e homens armados da Renamo, dirigida por Afonso Dhlakama.

Se se pode falar de esperança, as populações locais querem ver para crer se, de facto, há razões para a tranquilidade dos espíritos depois do compromisso de cessação das hostilidades entre as forças de defesa e segurança do Estado e o braço armado da Renamo em algumas das principais estradas das regiões afetadas. Com a reabertura das vias de comunicação, muitas famílias reencontraram-se. Várias escolas foram reabertas. A circulação de pessoas e bens deixa sinais de esperança, mas ainda há arestas a limar para a confirmação deste desejo nacional.

João Carlos

Artigo integral na edição impressa nº 116 da revista ÁFRICA21 (Março 2017)

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade