Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

ÁFRICA

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

ÁFRICA

Condições do FMI na África atual

MUNDO

Odebrecht e Microsoft firmam acordo de cooperação científica e tecnológica

ÁFRICA

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

BRASIL

Entrevista Celso Marcondes - “O Brasil deve retomar sua política externa de integração”

Rádio

Publicidade

Ambiente

A agricultura africana clama por uma justiça climática

| Editoria Ambiente | 11/03/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A seca afeta a totalidade do Corno de África e ameaça a sobrevivência de 17 milhões de pessoas, avisou no início de fevereiro a FAO, agência da ONU para a Agricultura e a Alimentação. Após dois anos de fraca produção agrícola devido ao fenómeno «El niño», as chuvas não chegaram no final de 2016, e as próximas colheitas serão 50% a 75% inferiores à média. Os países mais afetados são Somália, Etiópia e Quénia, onde foi declarado o estado de catástrofe. Mas a situação é também preocupante no Sudão do Sul, no Darfur e no sul do Uganda, agravada pela violência armada e o afluxo de três milhões de refugiados.


Na África Austral, a crise provocada pela pior seca dos últimos 35 anos está longe de estar debelada. A ONG Care estimava, no passado mês de janeiro, que o número de pessoas a precisar de ajuda alimentar era de 40 milhões. Madagáscar. Malawi e Moçambique são os países mais flagelados, mas Zimbabué, Botswana, Angola foram também afetados.

A região que esperava que 2017 fosse um ano de recuperação enfrenta desde novembro uma nova calamidade, a lagarta legionária, que se propaga como fogo no capim e devasta os campos de milho e dezenas de outras culturas: soja, arroz, algodão e cana-de-açúcar. Reunidos de emergência em Harare a 14 de fevereiro, por iniciativa da FAO, os responsáveis das políticas agrícolas da Zâmbia, Zimbabué, Malawi, Moçambique, Namíbia e África do Sul refletiram sobre um plano de emergência para travar a praga que entretanto alastrou a Angola e à RDC. Importada das Américas, onde se tornou resistente, esta lagarta só pode ser destruída deitando-se fogo aos campos infetados. A Zâmbia, país mais afetado, teve de fazer intervir a tropa face ao desespero dos camponeses.

Nicole Guardiola

Artigo integral na edição inmpressa nº 116 da revista ÁFRICA21 (Março 2017)

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade