Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Rei do Marrocos demite Primeiro Ministro

| Editoria Política | 15/03/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O primeiro ministro marroquino, Abdelilá Benkirane, foi demitido pelo Rei Mohamed VI, por não ter conseguido, em cinco meses, formar governo.

Abdelilá Benkirán

O líder do Partido da Justiça e Desenvolvimento (PJD), reeleito em outubro do ano passado com maioria relativa, não conseguiu o apoio necessário por parte dos demais partidos para formar o novo gabinete. Segundo informou o gabinete real, Benkirane será substituído por outra personalidade do PJD, organização considerada islâmico-conservadora.

Mohamed VI, que acaba de regressar de mais uma digressão Africana, resolveu tomar essa decisão para superar aquilo que considerou o “imobilismo” reinante no país desde as últimas eleições. A constituição marroquina concedia-lhe outras opções, mas, de acordo com a explicação do seu gabinete, ele preferiu indicar outra personalidade do PJD “para consolidar a escolha democrática e preservar as conquistas” nesse domínio.

Benkirane tentou, desde outubro do ano passado, formar uma coligação com quatro partidos englobando islamitas, liberais e ex-comunistas, mas fracassou, devido à recusa do líder da Aliança Nacional dos Independentes (RNI, em francês), o ex-ministro da Agricultura, Aziz Akhannouch. Este ultimo exigia a entrada no governo de mais dois partidos e a saída do Partido da Independência.

Embora Mohamed VI tenha decidido indicar outra figura do PJD para primeiro ministro, o facto é que Akhannouch, que conseguiu formar à sua volta uma sólida aliança, converteu-se num novo peso pesado da política marroquina e de oposição aos islamitas. Se o PJD voltar a falhar na formação do governo, não seria de estranhar que o líder do RNI acabasse por ser o escolhido para primeiro ministro.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade