Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Novembro de 2017

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

Economia

Sindicatos apelam a demissão de Zuma

| Editoria Economia | 05/04/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O secretário-geral da confederação sindical COSATU apelou terça-feira a Jacob Zuma a renunciar á presidência da Africa do Sul.


 

Bheki Ntshalintshali disse que chegou a hora de Zuma se demitir depois da remodelação governamental da passada semana que levou a substituição de 10 ministros e em particular do ministro das Finanças, Pravin Gordhan.

A COSATU diz «ter perdido a confiança nas capacidades de leadership» do Presidente estimando que a nova equipa governamental foi constituída em base á critérios de lealdade politica e não de mérito».

«O presidente foi negligente e imprudente» e esta remodelação «vai ter custos muitos altos» para o país disse Ntshalintshali comentando a reação da Bolsa e dos mercados financeiros á demissão de Gordhan e a sua substituição por Malusi Gigaba, considerado como próximo do presidente. Com efeito a agência de cotação Standard and Poors degradou a nota da dívida soberana da Africa do Sul e o rand perdeu 7% do seu valor desde segunda-feira.

Parceiro histórico do ANC a Confederação sindical é o segundo e mais importante membro da coligação governamental no poder na Africa do Sul desde a restauração da democracia a apelar a demissão de Zuma. O Partido Comunista que ameaçara retirar-se da coligação se Pravin Gordhan fosse demitido já o fizera anteriormente.

O próprio ANC esta dividido e o vice presidente Cyril Ramaphosa qualificou a demissão de Gordhan de «totalmente inaceitável».

Entretanto a Aliança Democrática, principal partido da oposição, e o partido de Julius Malema, dissente do ANC, se reuniram para apresentar em conjunto uma moção de censura contra Zuma.

A presidenta do Parlamento Baleka Mbete interrompeu uma visita ao Bangladesh e regressou domingo a Pretoria para organizar o debate sobre a polémica remodelação governamental. O voto da moção de censura poderá acontecer nos próximos dias.

Até agora, Jacob Zuma sobreviveu a varias moções de censura graças a maioria de que dispõe a coligação governamental (249 deputados num total de 400) mas as divisões agora observadas podem facilitar a tarefa da oposição. Com efeito bastaria que 50 deputados da atual maioria votem a favor da censura para que Zuma seja obrigado a recuar ou demitir-se. Seria a primeira vez que tal aconteceria desde a vitória do ANC nas eleições de 1994. 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade