Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Polícia branco, polícia negro

| Editoria Política | 04/06/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Cleon Brown, um sargento da polícia de Hastings (Michigan), nos EUA, sempre se identificou como branco, pois a sua pele é clara. Porém, aos 47 anos de idade, descobriu que 18% do sangue que lhe corre nas veias é herdado de antepassados negros, originários de África. O facto aconteceu quando a filha foi diagnosticada com uma doença que só afeta os afroamericanos, levando-o a submeter-se a um exame de DNA. O resultado não mentiu: Cleon Brown, apesar da sua tez clara, é negro (para os padrões norte-americanos).


Brown contou que o pai, que tem a pele um pouco mais escura e o cabelo mais encrespado, sempre lhe disse que descendia de nativos norte-americanos, ou seja, índios. Isso é comum nos Estados Unidos, onde muita gente esconde a sua origem africana, para não ser classificada como negro e, por isso, vítima de discriminação. Historicamente, nos EUA, quem definia a “raça” dos cidadãos era o Estado. Bastava uma percentagem mínima de genes africanos, para se ser classificado como negro e, logo, segregado. Era a regra da “gota de sangue” [negro].

Apenas para dar um exemplo, milhares de soldados afroamericanos, mas de pele clara, inscreveram-se no exército como brancos, na II Guerra Mundial, para, quando regressassem, o poderem fazer como cidadãos de “primeira classe”, evitando, portanto, que continuassem a ser vítimas de segregação racial.

Atualmente, os cidadãos é que declaram a sua “raça”. Por isso, a questão dos “mestiços”, também chamados, nos Estados Unidos, bi-raciais ou “browns” (castanhos), só começou a entrar no debate recentemente na principal democracia do mundo. O The Wall Street Journal, por exemplo, questionou em 2010 por que razão o então presidente, Barack Obama, se identificou como “negro”, apesar de descender de pai negro e mãe branca. “Ele renegou a sua mãe branca e os seus avós brancos”, escreveu o jornal, antes de acusar Obama de permanecer prisioneiro de classificações raciais herdadas de “tempos mais desagradáveis”.

Alguns observadores estimam que a crescente diversidade étnico-racial que está a ocorrer nos EUA, com o crescimento da imigração latina e asiática, pode, a médio e longo prazo, colocar a mestiçagem no centro do debate racial nacional. 

Quanto à história de Cleon Brown, tornou-se conhecida quando ele pediu ao Estado uma indemnização de meio milhão de dólares, devido ao tratamento racista que os seus colegas da polícia lhe começaram a dispensar, depois de ele ter revelado que possui 18% de sangue negro.

Segundo disse Brown, os seus colegas começaram a chamar-lhe “Kunta” – uma personagem da célebre série televisiva “Raízes” -, a colocar entre os seus pertences, no Natal do ano passado, figuras do Pai Natal pintadas de preto, com a inscrição 18% na barba, e a murmurar, sempre que ele passava, a frase “Black Lives Matter” (literalmente, “As vidas negras são importantes”), slogan das campanhas anti-racistas desencadeadas nos EUA após a morte de vários afroamericanos baleados pela polícia, em episódios gravados e retransmitidos nas redes sociais e nas televisões.

Após essa sua nova experiência, Cleon Brown afirmou, referindo-se ao racismo nos Estados Unidos: - “Sinto que [essa experiência] abriu-me os olhos”.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade