Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Sentença histórica condena empresário europeu que beneficiou com guerra africana

| Editoria Política | 04/06/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Doze anos depois de ter sido preso, a 18 de março de 2005, em Haia, o empresário holandês Guus Kouwenhoven, acusado de contrabando de armas e também de ter cometido crimes de guerra na Libéria, foi condenado em última instância pelo Tribunal de Apelação da Holanda, no passado dia 21 de abril, a 19 anos de prisão. É uma sentença histórica, pois trata-se da primeira vez, depois da II Guerra Mundial, que um empresário é condenado por beneficiar com um conflito armado.

Guus Kouwenhoven à direita na foto

Foi uma autêntica saga judicial. A primeira vez que Kouwenhoven foi a tribunal para responder às acusações que pesavam sobre ele foi no dia 24 de abril de 2006 em Haia. No dia 7 de junho desse ano, o tribunal absolveu-o da acusação de crimes de guerra, por falta de provas, mas condenou-o a oito anos de prisão por violação do embargo de armas imposto pela ONU à Libéria, país que viveu uma guerra civil de 1986 a 2003. No dia 19 de março de 2017, o empresário foi posto em liberdade condicional, aguardando os recursos, quer da acusação quer da defesa.

No dia 10 de março de 2008, o Tribunal de Apelação da Holanda anulou a condenação de Kouwenhoven e absolveu-o, alegando insuficiência de provas e contradições nos depoimentos das testemunhas.

Um pouco mais de dois anos depois, a 20 de abril de 2010, o Tribunal Supremo da Holanda, ao qual a acusação recorrera, revogou a decisão do Tribunal de Apelação, ordenando um novo julgamento. Este começou quase sete anos mais tarde, no passado dia 6 de fevereiro deste ano, devido ao atraso das investigações e das entrevistas causado pela crise do ebola na Libéria e na Serra Leoa.

As sessões estenderam-se até ao dia 17 de março, igualmente deste ano, e, enfim, a 21 de abril, saiu a sentença.

O empresário holandês, que fora expulso dos Estados Unidos nos anos 70 do século passado por tentar vender quadros roubados de Rembrandt, dedicava-se ao negócio de madeira na Libéria, mas utilizava essa atividade para acobertar o contrabando de armas na África Ocidental, desafiando o embargo imposto pela ONU durante a guerra civil liberiana.

Homem de confiança do ex-presidente Charles Taylor, condenado em 2012 a 50 anos de prisão pelo Tribunal Especial para a Serra Leoa, Guus Kouwenhoven, que era diretor de operações das empresas Oriental Timber Company (OTC) e Royal Timber Company (RTC), utilizou parte dos lucros da atividade madeireira para facilitar a importação de armas para Taylor. Por essa razão, a ONU declarou-o “traficante de armas” e acusou-o de apoiar o ex-presidente da Libéria a desestabilizar a Serra Leoa, para aceder ilegalmente aos diamantes do referido país.  As milícias contratadas pelas empresas de Kouwenhoven também foram acusadas de participação em massacres de civis.

Um outro empresário, o belga Michel Desaedeleer, estava igualmente preso à espera de julgamento desde 2015, acusado de saquear “diamantes de sangue” durante a guerra civil na Serra Leoa e de escravizar civis para esse efeito. No entanto, acabou por morrer no cárcere, a 28 de setembro do ano passado, antes de ser levado a tribunal.

In ÁFRICA 21, Junho 2017

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade