Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Economia

LafargeHolcim explora trabalho infantil no Uganda

| Editoria Economia | 04/06/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A companhia suíça LafargeHolcim, líder mundial dos materiais de construção, produziu cimento no Uganda durante 10 anos com um mineral extraído por crianças.


O facto consta de um relatório divulgado no passado dia 3 de maio, na sequência de uma grande reportagem publicada no ano passado pelo jornal francês Le Monde. Para produzir o referido relatório, a ONG local Twerwaneho Listener´s Cub (TLC) e a fundação suíça Pain pour le prochain (PPP) levaram a cabo durante seis meses uma investigação no oeste do Uganda.

As duas organizações recolheram relatos de 54 pessoas, das quais 20 crianças, que vivem na região de Fort Portal, onde está situada a cimenteira Hima, filial do grupo LafargeHolcim. A mesma é alimentada diariamente com pozolana, uma rocha vulcânica usada para fabricar cimento e extraída das minas artesanais locais por crianças. As minas operam a céu aberto e sem qualquer regulação. “Durante mais de dez anos, a LafargeHalcim beneficiou com o trabalho de crianças nas minas artesanais”, lê-se no relatório. Este estima que cerca de 150 crianças tenham trabalhado para a cimenteira.

A investigação apurou que as crianças trabalhavam extensivamente e em condições desastrosas: a maioria foi forçada a abandonar a escola, carregando todos os dias às costas blocos de mais de 15 quilos, expostos a uma poeira tóxica e com os corpos cobertos de chagas e feridas.

Apesar da contundência dos testemunhos e das provas, a LafargeHolcim negou as acusações. “Encaramos este assunto com muita seriedade. Durante um ano, o mesmo foi investigado por auditores independentes e qualificados, que não descobriram nenhuma evidência da exploração artesanal de pozolana por crianças”, disse à imprensa Saad Sebbar, responsável da companhia para a África e Médio Oriente.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade