Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

+ Angola

Novo Presidente, vida nova?

| Editoria + Angola | 17/11/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Com menos de um mês na Presidência da República, João Lourenço já marcou um novo estilo de governação, mas reconhece que Angola vive tempos difíceis. Expectante, a oposição dá-lhe o benefício da dúvida

Desde que tomou posse, a 26 de setembro, o novo Presidente angolano traçou os objetivos do seu mandato em três discursos programáticos, geralmente bem acolhidos por analistas e críticos nacionais e internacionais. No seu discurso de investidura, na abertura do ano agrícola 2017/2018, no Huambo, e na sessão inaugural da nova legislatura a 16 de outubro, João Lourenço teve oportunidade de passar em revista todas as áreas da governação e da administração pública e de precisar as áreas prioritárias para cumprir a sua promessa eleitoral de «melhorar o que está bem e corrigir o que está mal».

Uma das ideias mestras da mensagem é que nos tempos difíceis que a economia atravessa, há que dar prioridade ao aproveitamento judicioso dos «parcos meios disponíveis». E que não bastam as declarações genéricas sobre o imperativo de diversificar a economia e de reduzir a dependência do petróleo. Um exemplo disso é a atenção à agricultura. Ao gesto simbólico que constitui a sua presença física no lançamento do ano agrícola para a sua primeira deslocação fora de Luanda, o Presidente João Lourenço antecipou a tomada de medidas concretas como o cadastro das terras aráveis, a atribuição de títulos de propriedade aos pequenos agricultores e a anulação de concessões por terras não cultivadas, ao mesmo tempo que insistia sobre a importância da eletrificação e anunciava incentivos fiscais para o investimento privado nas zonas rurais.

Enquanto isto, as atenções dos analistas e comentadores focalizava-se na nomeação da nova equipa dirigente, os homens e as mulheres escolhidos por João Lourenço para levar à prática o seu programa de governo.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade