Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Outubro de 2018

ANGOLA

PANORAMA DOS RECURSOS HUMANOS EM ANGOLA

ANGOLA

EM NOME DO CANUDO, A FABRICA DOS DIPLOMAS

ARGENTINA

Será justiça o que fazem com Kirchner?

ÁFRICA

RELGIÕES E SEITAS EM ÁFRICA, O NOVO ÓPIO DO POVO?

ÁFRICA

Condições do FMI na África atual

MUNDO

Odebrecht e Microsoft firmam acordo de cooperação científica e tecnológica

ÁFRICA

PAÍSES FALHADOS, OU ESTADOS FRÁGEIS, EIS A QUESTÃO NÃO SÓ AFRICANA

BRASIL

Entrevista Celso Marcondes - “O Brasil deve retomar sua política externa de integração”

Rádio

Publicidade

Política

A China e o futuro

| Editoria Política | 17/11/2017

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Discursando durante mais de três horas, a 18 de outubro, perante os cerca de 3000 participantes no 19.º Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC), o Presidente Xi Jinping expôs a sua visão do futuro próximo para 1400 milhões de chineses e o resto do mundo.

Reconduzido sem surpresa por cinco anos à cabeça do país mais povoado do mundo, Xi Jinping anunciou o advento de uma nova era caracterizada no plano interno pela afirmação do «socialismo com identidade chinesa», sob a liderança de um PCC regenerado, rejuvenescido, modernizado e, ao nível mundial, pela confirmação da China como «potência global» – económica, diplomática, militar, tecnológica e cultural.

Como sempre, a imprensa ocidental centrou os seus comentários nos aspetos do que chamou de «grande missa» do Partido Comunista Chinês, nos rituais quase litúrgicos e no culto da personalidade do «novo homem forte», do «novo imperador vermelho», cujo pensamento foi incluído nos estatutos do partido como guia de ação em pé de igualdade com o do pai fundador, Mao Zedong, e o iniciador das reformas económicas dos anos 1980, Deng Xiaoping. O Ocidente, incapaz de se libertar do complexo pós-colonial, continua a medir as realizações chinesas por comparação com o seu próprio modelo e a ver contradições insuperáveis no «socialismo à chinesa» que deveriam levar ao fracasso o «sonho» de Xi Jinping de uma China estável, próspera e respeitada no mundo.

O Presidente chinês lembrou aos incrédulos que, para um regime que conseguiu em três décadas tirar 600 milhões de pessoas da pobreza e multiplicar por oito o PIB nacional, a «pequena prosperidade» prometida a todos os chineses e a todas as regiões até 2020 não tem nada de irrealista.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade