Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Maio de 2019

ÁFRICA

A TERRA É A FONTE DE VIDA E DA MORTE

MUNDO

A POSSSE DA TERRA, A RECOLONIZAÇÃO SILENCIOSA QUE NÃO DIZ O NOME

ÁFRICA

O DILEMA DAS TERRAS EM ÁFRICA NA VIRAGEM DO MILÉNIO

MUNDO

INTERNET - O FIM DA DECISÃO E DA LIVRE ESCOLHA?

SUDÃO

A Revolução Sudanesa: a terceira será de vez?

ESTADOS UNIDOS

DONALD TRUMP, O FIM DOS IDEAIS AMERICANOS

ANGOLA

Angola - Novas Políticas Migratórias?

ÁFRICA

Basílica de YamoussoukroO “presente pessoal” de Boigny a Cristo!

Rádio

Publicidade

Desporto

Dívida de Angola à China não constituí preocupação

| Editoria Desporto | 15/01/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

 O ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, disse ontem, em Luanda, não haver motivos para preocupação em relação à dívida de Angola para com a China, afastando o espectro da existência de quaisquer irregularidades com o seu cumprimento. fez esta afirmação na conferência de imprensa realizada na sede do Mirex depois da assinatura do acordo de facilitação de vistos em passaportes ordinários, foi peremptório em afirmar que não existem motivos de preocupação, pois “o serviço da dívida de Angola para com a China tem andado muito bem e nunca houve problemas”.

 A questão da dívida de Angola para com a China dominou a conferência de imprensa, e nenhum dos ministros foi omisso quanto a isso, embora nenhum deles tenha revelado o valor do montante, continuando, assim, a não ser do domínio público. Porém, dados publicados pela imprensa ocidental apontam para um investimento da China em Angola na ordem dos 60 mil milhões de dólares. 

Wang Yi lembrou que, desde o alcance da paz em Angola, existiam países com capacidade para ajuda, mas não o fizeram. “Como bom amigo de Angola, a China estendeu a sua mão, já que somos ambos países em desenvolvimento. Por isso, damos o financiamento necessário para construir e para fazer evoluir significativamente Angola”, disse, recordando que o seu país construiu mais de 20 mil quilómetros de estradas e mais de 2.800 quilómetros ferrovias, além de infra-estruturas, habitação social, 100 escolas e 50 hospitais. 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade