Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Agosto de 2019

ÁFRICA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA EM ÁFRICA, UMA BOMBA AO RETARDADOR

ÁFRICA

O PARADIGMA PARTICULAR DA DEMOGRAFIA VERSUS DESENVOLVIMENTO

ANGOLA

EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA UMA BOMBA DE EFEITO RETARDADO

EUROPA

O PESADELO DEMOGRÁFICO QUE ASSOMBRA A EUROPA

MOÇAMBIQUE

POR ALGUNS DÓLARES MAIS

MUNDO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS PODEM ENGENDRAR “APARTHEID GLOBAL”

VENEZUELA

O CAPCIOSO RELATÓRIO BACHELET

ÁFRICA

RUMO A UMA ÁFRICA INTEGRADA E PRÓSPERA

Rádio

Publicidade

+ Angola

Guterres projecta Pacto Global sobre migração

| Editoria + Angola | 15/01/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, anunciou que pretende promover, ainda este ano, um Pacto Global para que “a imigração seja verdadeiramente benéfica para todos”.

Os governos dos Estados-membros da ONU deverão negociar em 2018 esse Pacto Global para a Imigração, que “será o primeiro acordo internacional deste género”, escreveu Guterres num artigo de opinião publicado sábado pelo jornal semanal português “Expresso” e citado pela agência EFE.
Para o responsável das Nações Unidas, este acordo pretende ser “uma oportunidade sem precedentes”, que não imporá nem obrigações nem vínculos aos membros da ONU.
“Queremos que a questão das migrações seja fonte de prosperidade e de solidariedade ou um factor de desumanização e de fricção social?”, questionou o diplomata português.
O futuro pacto terá três eixos de actuação, segundo revelou António Guterres no seu artigo de opinião.
Em primeiro lugar, será “necessário reconhecer e reforçar os benefícios da imigração”, já que, segundo Guterres, “os imigrantes fazem contribuições significativas tanto para os países de acolhimento como para os países de origem”.
Segundo o Secretário-Geral, são eles os que desenvolvem empregos que a população local não exerce e impulsionam a actividade económica local, mas, além disso, enviam remessas de dinheiro aos seus países, “que durante o ano passado totalizaram 600 mil milhões de dólares”.
O segundo pilar do Pacto Global será o de fortalecer a forma como os Estados protegem os imigrantes.
Para o Secretário-Geral da ONU, os países que põem obstáculos ou restrições severas aos imigrantes se infligem prejuízos económicos desnecessários e “incentivam involuntariamente a imigração ilegal”.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade