Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

+ Angola

Quénia: Odinga presta juramento apesar da ameaça governamental

| Editoria + Angola | 31/01/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O líder da oposição queniana, Raila Odinga, prestou nesta terça, em Nairobi, juramento, declarando-se oficialmente como presidente do povo, numa cerimónia marcada pelo veto governamental e que ameaça provocar uma grande divisão política neste país, noticiou a Prensa Latina.

"Hoje é um dia histórico para o Quénia, porque os quenianos deram um passo para libertarem-se da ditadura que nos roubou os votos", declarou Odinga, perante centenas de seguidores que se reuniram no parque Uhuru, em Nairobi.

O líder da oposição queniana leu o seu juramente perante o advogado Tom Kajwang, também membro do seu partido Super Aliança Nacional (NASA), ao invés de fazê-lo perante as autoridades oficiais.

O segundo o líder da NASA, Kalonzo Musyoka, assim como um outro influente dirigente desse partido, Musalia Mudavadi, não assistiram à cerimónia.

A parte inicial desta cerimónia foi transmitida ao vivo por vários canais de televisão, mas de imediato foi interrompida, devido à uma orientação do governo, que ameaçou retirar as liçenças dessas estações televisivas.

O governo advertiu Odinga em várias ocasiões de que seria julgado por traição, caso persistisse nas suas intenções, facto que, de acordo com o ordenamento jurídico queniano, é passível de pena de morte.

A NASA considera-se vencedora das eleições presidenciais realizadas em Agosto passado, que foram anuladas pelo Tribunal supremo.

Como resultado, foram convocadas novas eleições em Outubro, que foram vetadas pela oposição e permitiram ao presidente Uhuru Kenyatta, vencer por larga maioria e iniciar um segundo mandato.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade