Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2018

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

+ Angola

Quénia: Odinga presta juramento apesar da ameaça governamental

| Editoria + Angola | 31/01/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O líder da oposição queniana, Raila Odinga, prestou nesta terça, em Nairobi, juramento, declarando-se oficialmente como presidente do povo, numa cerimónia marcada pelo veto governamental e que ameaça provocar uma grande divisão política neste país, noticiou a Prensa Latina.

"Hoje é um dia histórico para o Quénia, porque os quenianos deram um passo para libertarem-se da ditadura que nos roubou os votos", declarou Odinga, perante centenas de seguidores que se reuniram no parque Uhuru, em Nairobi.

O líder da oposição queniana leu o seu juramente perante o advogado Tom Kajwang, também membro do seu partido Super Aliança Nacional (NASA), ao invés de fazê-lo perante as autoridades oficiais.

O segundo o líder da NASA, Kalonzo Musyoka, assim como um outro influente dirigente desse partido, Musalia Mudavadi, não assistiram à cerimónia.

A parte inicial desta cerimónia foi transmitida ao vivo por vários canais de televisão, mas de imediato foi interrompida, devido à uma orientação do governo, que ameaçou retirar as liçenças dessas estações televisivas.

O governo advertiu Odinga em várias ocasiões de que seria julgado por traição, caso persistisse nas suas intenções, facto que, de acordo com o ordenamento jurídico queniano, é passível de pena de morte.

A NASA considera-se vencedora das eleições presidenciais realizadas em Agosto passado, que foram anuladas pelo Tribunal supremo.

Como resultado, foram convocadas novas eleições em Outubro, que foram vetadas pela oposição e permitiram ao presidente Uhuru Kenyatta, vencer por larga maioria e iniciar um segundo mandato.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade