Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

ONU: Guiné-Bissau tem de respeitar o acordo de Conacri

| Editoria Política | 01/02/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Em entrevista à RFI, à margem da cimeira de chefes de Estado da União Africana, em Addis Abeba, o secretário-geral da ONU, António Guterres, defendeu que a solução para a crise na Guiné-Bissau passa pelo respeito do acordo de Conacri e realização de eleições nos prazos previstos.

Questionado sobre a crise política na Guiné-Bissau e qual a solução para o país, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que numa primeira fase se deve respeitar o acordo de Conacri e posteriormente devem ser realizadas eleições.

“A curto prazo é preciso que o acordo de Conacri, que foi estabelecido, seja respeitado e que se encontre uma solução política que permita a realização de eleições nos prazos previstos”, salientou.

Impasse político

A Guiné-Bissau está há mais de dois anos mergulhada numa crise política que resultou da decisão do Presidente José Mário Vaz demitir o chefe do executivo, Domingo Simões Pereira, por suspeitas de corrupção, na altura, acusações que nunca foram formalizadas.

Desde então vários primeiros-ministros foram apontados, alguns pelo PAIGC e outros pelo chefe de Estado. Porém a constituição do país diz que é o partido mais votado nas eleições, neste caso o PAIGC, que deve apontar um nome para primeiro-ministro.

O impasse político levou à intervenção da CEDEAO, Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que apresentou como plano de mediação, o acordo de Conacri.

O documento prevê a formação de um governo consensual integrado por todos os partidos guineenses representados no Parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e de confiança do chefe de Estado, entre outros.

Sanções da CEDEAO?

Todavia a implementação do acordo tem estado a tardar, situação que levou a CEDEAO a anunciar a possibilidade de sanções a quem estivesse a impedir a aplicação do acordo.

A organização chegou a avançar que as sanções seriam conhecidas durante a 30ª cimeira da UA, porém até agora ainda nada foi divulgado.

O Presidente José Mário Vaz representou o país na 30ª cimeira de chefes de Estado da União Africana e reuniu-se com o homólogo do Togo, Faure Gnassingbé, que preside actualmente a CEDEAO.

Ao que a RFI conseguiu apurar uma delegação da CEDEAO deverá deslocar-se a Bissau na próxima semana.

“Eleições o mais rapidamente possível”

Carlos Lopes, economista guineense e conselheiro do presidente do Ruanda para a reforma da União Africana, diz que a solução para o país passa pela aplicação do acordo de Conacri e a realização de eleições.

“A solução são as eleições, porque nós precisamos de eleições integras e precisamos de eleições o mais rapidamente possível. O acordo de Conacri é um passo para chegarmos às eleições, a meu ver, como estamos a limite do prazo, já duas vezes estendido, da CEDEAO para poder aplicar um regime de sanções, por aplicar o acordo de Conacri. Eu sinto uma vontade de acção forte, por parte da CEDEAO, e um aviso à navegação desta vez. Temos que chegar a alguma solução na Guiné-Bissau, porque as pessoas estão um bocado cansadas desde vai e vem”, assegurou.

“Constituição depenada”

Carlos Lopes admite que neste dois últimos anos foram feitas muitas interpretações jurídicas e reconhece que no país já há um consenso para a alteração da Constituição.

“Passou-se muito tempo, há muitas interpretações jurídicas confusas. A Constituição foi completamente depenada, portanto nós agora temos que admitir que qualquer eleição que tenha lugar tem de ser uma assembleia constituinte que vai ter um mandato para alterar a Constituição. Acho que até já existe um consenso para a necessidade da alteração da Constituição, porque tem-se provado que as crises derivam, em parte, por interpretações várias da Constituição”, concluiu.

 

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade