Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Economia

Bélgica Aplaude Redução de Contrabando de Diamantes

| Editoria Economia | 06/02/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O ministro belga dos Negócios Estrangeiros, Didier Reynders, regozijou-se com a diminuição do comércio ilegal de diamantes de 15 para 0,2 por cento desde a instauração do Processo de Kimberley (PK) em 2002.

O chefe da diplomacia belga sublinhou que o seu país, durante a presidência europeia em exercício do PK, pretende defender uma abordagem duradoura e responsável, dando uma atenção particular neste sentido à África.

Durante o mandato, a Bélgica vai exigir a aplicação das conclusões da African Diamond Conference (conferência africana de diamantes), organizada em Novembro último em Bruxelas, por iniciativa do Governo belga, acrescentou Reynders.

Segundo o ministro Este encontro, foi organizado principalmente porque a cidade belga de Antuérpia representa o maior centro de comércio de diamante bruto, com 84 por cento do comércio mundial deste recurso.
A Bélgica vai velar pela aplicação estrita das regras fixadas pelo PK, bem como dos princípios de eficácia e transparência que exigem luta contra o comércio ilegal de diamantes que fomenta conflitos armados em África, prometeu o diplomata belga.

 

Assim, prosseguiu, os diamantes provenientes da República Centro-Africana estão proibidos da venda no mundo pelo PK, devido aos conflitos que continuam entre grupos rivais naquele país.
A União Europeia (UE) as­sume, desde 1 de Janeiro, a presidência em exercício do PK, plataforma internacional a que aderiram 91 países e organizações, como as Nações Unidas e a UE, para combater o comércio ilícito de diamantes no mundo que permite as organizações criminosas adquirirem armas.
Angola foi dos países que lideraram a instituição do PK, chegando mesmo a exercer a presidência rotativa da organização e a orientar importantes processos como o da admissão da República Centro-Africana.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade