Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Política

Parlamento sul-africano aprova expropriação de terras confiscadas por colono

| Editoria Política | 02/03/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A assembleia nacional sul-africana aprovou com 241 votos a favor e 83 contra, uma revisão da Constituição, que permite a expropriação sem compensação de terras que haviam disso confiscadas pelo colono durante o processo de colonização, em benefício da maioria negra.

A proposta aprovada na passada terça-feira, 27, tem sido alvo de críticas de alguns sectores sobre a viabilidade das medidas. Face aos questionamentos sobre o facto de que a proposta não prevê compensações financeiras, o Presidente sul-africano, Cyril Mamaphosa, afirmou que o plano de reforma constitucional é uma forma de remediar as disparidades raciais no país e não será feita de maneira desordenada.

“ Não significa entrar e rouba. Não há necessidade de qualquer um de nós entrar em pânico e começar a tocar tambores de guerra”, disse Ramaphosa, acrescentando, que em breve vai iniciar um diálogo com as principais partes interessadas e garantir que se crie resoluções que resolvam a questão de uma vez por todas.

Com a decisão do Parlamento, congressistas formarão uma comissão para revisar a Constituição até agosto e determinar se a proposta não fere a Carta Magna. Depois, serão necessários os votos de dois terços dos parlamentares para que a medida passe em definitivo.

A proposta de expropriação de terras, foi apresentada pelo partido de esquerda Combatentes da Liberdade Económica (EFF) e apoiada pelo partido no governo, o Congresso Nacional Africano (CNA).

Na ocasião o líder do EFF, Juluis Malema disse que “ O tempo para a reconciliação acabou. O tempo para a justiça chegou, não estamos à procura de vingança, queremos recuperar a nossa dignidade”.

Refira-se que os negros sul-africanos representam 79% da população, mas possuem apenas 1,2% da terra rural do país.




Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade