Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2018

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

Política

Uma criança morta por hora na Síria

| Editoria Política | 05/03/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O director da Unicef para o Médio Oriente e o Norte de África, Geert Cappelaere, revelou em conferência de imprensa, no Domingo, 4, em Genebra, que desde que começou o ano 2018 mais de mil crianças morreram e outras ficaram gravemente feridas devido ao conflito armado na Síria, o que significa que morre em média uma criança por hora.

 “A situação continua a causar enorme preocupação”, disse Cappelaere, adiantando que a Unicef tem preparada uma caravana para entrar em Douma, na região de Ghouta oriental, nos arredores da capital síria, desde que foi aprovada, no Sábado, a resolução do Conselho de Segurança da ONU requerendo uma pausa humanitária de pelos 30 dias no país.

Em Ghouta oriental, enclave rebelde bloqueado desde 2013, residem cerca de 200 mil crianças, segundo a Unicef. Cappelaere disse que a agência tem autorização para aceder à região, que a caravana transportará medicamentos e alimentos para 70 mil crianças.

Assinalou ainda serem “alarmantes” os níveis de desnutrição em Ghouta oriental e recordou que umas centenas de crianças precisam de ser retiradas da região por questões de saúde.

A Unicef apelou às partes envolvidas na guerra da Síria para respeitarem as pausas, permitindo o acesso da ajuda humanitária em todo o país.

A guerra na Síria se arrasta desde 2011, sem expectativa de  quando chegará ao fim. Desde o seu início em 2018, já morreram mais de 340 mil pessoas e obrigou os sobreviventes a abandonarem as suas casas. Os dados foram anunciados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

 

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade