Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Setembro de 2018

ÁFRICA

ÁFRICA DE AMANHÃ - A grande aposta nas tecnologias de informação e comunicação

ANGOLA

Angola aposta em políticas públicas para maior inclusão digital

ANGOLA

Uma sucessão em dois actos

ESTADOS UNIDOS

Resistência na casa Branca contra Trump

ETIÓPIA

Etiópia: Abiy Ahmed, um primeiro-ministro chamado «revolução»

ÁFRICA DO SUL

África do Sul : O começo de uma segunda transição política

ÁFRICA

A revolução dos arquitetos africanos

EGITO

CAIRO, A CIDADE QUE MAIS CRESCE NO MUNDO

Rádio

Publicidade

Economia

Moçambique negocia reestruturação da dívida

| Editoria Economia | 23/03/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Grupo Global de Detentores de Títulos da Dívida de Moçambique, que representa 80% da dívida contraída pelo país, rejeitou na terça-feira, 22, em Londres, a proposta apresentada pelo Ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleane que tinha proposto um corte de 50% da dívida atrasada.

 O conselheiro do Grupo Global de Detentores de Títulos da Dívida de Moçambique, Thomas Laryea, tinha dito que iam "transmitir a ideia de que a chamada proposta não serve de início de conversa".

Para o pesquisador do Centro de Integridade Pública (CIP), Jorge Matine, este é um mau sinal. "Enquanto não houver uma base de consenso em relação à transparência, em relação ao quadro constitucional, muito dificilmente eles vão olhar para a acção do Governo como uma acção com consequências claras".

Já para o economista moçambicano João Mosca, o reescalonamento da dívida que o executivo pretende poderá ter consequências pesada: "no fim, acabaremos por pagar mais do que as dívidas que contraímos".

As dívidas ocultas, estimadas em pouco mais de dois mil milhões de dólares norte-americanos foram contraídas pelas empresas EMATUM, MAM e Proindicus, com o aval do Estado mas sem o conhecimento da Assembleia da República.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade