Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Economia

Moçambique negocia reestruturação da dívida

| Editoria Economia | 23/03/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O Grupo Global de Detentores de Títulos da Dívida de Moçambique, que representa 80% da dívida contraída pelo país, rejeitou na terça-feira, 22, em Londres, a proposta apresentada pelo Ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleane que tinha proposto um corte de 50% da dívida atrasada.

 O conselheiro do Grupo Global de Detentores de Títulos da Dívida de Moçambique, Thomas Laryea, tinha dito que iam "transmitir a ideia de que a chamada proposta não serve de início de conversa".

Para o pesquisador do Centro de Integridade Pública (CIP), Jorge Matine, este é um mau sinal. "Enquanto não houver uma base de consenso em relação à transparência, em relação ao quadro constitucional, muito dificilmente eles vão olhar para a acção do Governo como uma acção com consequências claras".

Já para o economista moçambicano João Mosca, o reescalonamento da dívida que o executivo pretende poderá ter consequências pesada: "no fim, acabaremos por pagar mais do que as dívidas que contraímos".

As dívidas ocultas, estimadas em pouco mais de dois mil milhões de dólares norte-americanos foram contraídas pelas empresas EMATUM, MAM e Proindicus, com o aval do Estado mas sem o conhecimento da Assembleia da República.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade