Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Março de 2019

MÉDIO ORIENTE

Nas areias movediças do Médio Oriente

ÁFRICA

Drogas em África As novas rotas do tráfico de heroína

ÁFRICA

A África a mercê de um Triângulo Voraz

ÁFRICA

África Oriental O regresso ao grande investimento nos Caminho-de-ferro

MUNDO

RefugiadosAs cifras da vergonha!

ÁFRICA

Estaca da África em Brexit

MUNDO

Racistas ou nem por isso?

EGITO

O futuro do Egipto passa pela energia solar

Rádio

Publicidade

Política

Lula é condenado a 12 anos e 1 mês de prisão

| Editoria Política | 06/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O ex-Presidente do Brasil, Lula da Silva, foi sentenciado pelo juiz Sérgio Moro a 12 anos e um mês de prisão no círculo do processo Lava-Jato.

A decisão foi influenciada  por uma votação feita por 11 juízes do Supremo Tribunal Federal, após uma sessão que durou mais de dez horas, onde 6 votaram contra e 5 a favor da sua liberdade. Lula foi condenado culpado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro ao ter recebido um apartamento triplex localizado no Guarujá.  

De acordo com o despacho divulgado pela Globo, informa que o Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, negou a solicitação de habeas corpus de Lula da Silva feito pelo seu advogado Sepúlveda Pertence.

O juiz Sérgio Moro disse que ”o sentenciado deverá se apresentar à Polícia Federal de Curitiba hoje 06 de Abril de 2018, até as 17 horas local (22 horas em Angola). E em seguida será exercido o mandato de prisão”.

No despacho, Moro afirmou que não há como a defesa do ex-presidente protelar a execução da pena. "Hipotéticos embargos de declaração de embargos de declaração constituem apenas uma patologia protelatória e que deveria ser eliminada do mundo jurídico".

Moro, determinou que Lula fique em uma sala especial na sede da Polícia Federal no Paraná e que não seja algemado.

Entretanto, leis do Comité de Direitos Humanos das Nações Unidas permitem que o ex-presidente Lula da Silva possa pedir que medidas urgentes sejam solicitadas para assegurar os seus direitos políticos, enquanto termine o seu processo em Genebra.

 Por enquanto, o organismo da ONU indicou que a defesa de Lula não apresentou um pedido neste sentido.

Em Julho de 2016, o caso de Lula, foi levado ao Comité de Direitos Humanos das Nações Unidas pelo advogado Geoffrey Robertson.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade