Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Política

Pequim declara guerra comercial a Washington

| Editoria Política | 11/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

100 Mil milhões de dólares são a nova tarifa estipulada pelos Estados Unidos sobre a importação dos produtos chineses. Essa informação fez com Pequim declara-se guerra comercial com Washington.

O ministério do comércio chinês rejeitou na sexta-feira, 6 de Abril, a possibilidade de que Pequim e Washington estejam a prevenir uma guerra comercial entre os dois países.

O principal assessor económico da Casa Branca, Larry Kudlow, fez perceber que o EUA, procurava uma solução, depois do pronunciamento de impor tarifas sobre 100 milhões em comércio bilateral.

O ministro do comércio da China Zhong Shan, comprometeu-se a defender os interesses do país em caso de guerra comercial com Washington.

“Não haverá vencedores entre Pequim e Washington. Isso trará um desastre para os dois governos bem como para todo mundo” declarou Zhong Shan, durante uma conferência de imprensa.

O porta-voz do ministério do comércio Chinês em Pequim, Gao Feng disse: “Já faz alguns meses que as autoridades ficais e económicas dos dois países não negociam”.

O responsável acusou a Casa Branca de iludir os mercados financeiras ao dar entender que existem conversões em curso declarando que “não é essa a verdadeira situação”.

Numa entrevista concedida à Bloomberg TV, o assessor da Casa Branca Larry Kudlow, admitiu que até agora não houve negociações significativas com Pequim, e garante que isso continua a ser uma possibilidade; e deseja que aconteça dentro de dois meses, acrescentou que o seu presidente não quer colocar desordem na economia.

Donal Trump agiu assim, porque Pequim vem coagindo empresas americanas a transferir propriedade intelectual a empresas chinesas com condição para que possam fazer negócios na China, uma acusação que China nega.

O clima de conflito comercial afectou os mercados, quando na sexta-feira, 06, Trump decidiu levar avante as tarifas. “O mercado subiu 40%, 42%, por isso podemos perder um pouco dos ganhos, mas no fim de todo essa fase ganharemos um país muito mais forte”, comentou o assessor da Casa Branca Larry Kudlow.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade