Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

CONGO RD

RDC sofre com o surto de ébola

ESTADOS UNIDOS

El Niño estará de volta em 2019

ANGOLA

Angola defende que UA ‘precisa de estar à altura dos anseios da população’

CONGO RD

Ébola na RDC à beira de um avanço no tratamento

ANGOLA

PNUD financia projectos de resiliência à seca em Angola

ÁFRICA DO SUL

Pravin Gordhan apresenta queixa contra Julius Malema

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS DEMOCRATAS RECUPERAM CÂMARA DOS REPRESENTANTES

COMORES

FRACASSO DA REBELIÃO NA ILHA DE ANJOUAN

Rádio

Publicidade

Empresas

Inalca apresenta projecto centro agro-alimentar

| Editoria Empresas | 12/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Mais de 150 Milhões de dólares é o orçamento da construção do projecto Centro Nacional Agro-alimentar (CNA)- PECKINALCA, que o grupo Cremonini representado pela Inalca, irá construir em 2019 na zona urbana metropolitana de Luanda, junto a Centralidade do Kilamba, e criará mais de mil postos de trabalho. 

A informação foi avançada ontem, 11 de Abril, pelo presidente do grupo INALCA E Cremonini Grup, Cavaliere Luigi Cremonini, na apresentação do projecto Centro Nacional Agro-alimentar (CNA)- PECKINALCA, no hotel Epic Sana, na sala Angola I, realizado pelo mesmo grupo.

As instalações do projecto fianciado pelo Banco de Desenvolvimento da Itália; cobrirá uma área de 192.155,00 mil metros quadrados, 92 dos quais destinados à construção do centro nacional agro-alimentar para o mercado angolano.

De acordo com apresentação feita pelo Cavaliere Luigi Cremonini, falou da liderança da Inalca no sector da carne bovina e distribuição alimentar na Europa e o contributo que a Inalca Angola tem dado no país desde 1980 na distribuição de produtos alimentares.

O líder do Grupo explicou que o centro terá um stock estratégico necessário para a reserva nacional de produtos essenciais para afirmar a segurança alimentar da população: como cereais, carne, farinha, frutas, legumes, óleo, peixe. O objectivo principal é estimular a produção nacional e reduzir as importações em Angola.

Cremonini, deixou claro que o êxito deste desafio depende particularmente do apoio do Governo angolano, que precisa criar incentivos dirigidos aos verdadeiros produtores e investidores, com vista a acelerar o processo da produção interna.

Segundo o Secretário do Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Carlos Alberto Jaime Pinto, reiterou a importância do surgimento do CNA no território africano. Felicitou ainda a iniciativa do sector privado, salientado a cooperação entre os dois país, e a disponibilidade do executivo angolano a dar suporte necessário para a concretização do projecto.

“Ao longo dos últimos anos, Angola importou acima de 300 mil toneladas de carne bovino e frango, este projecto do grupo Cremonini representado pela Inalca Angola, irá contribuir de forma significativa para a redução nas importações”, disse o Secretário do Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Carlos Alberto Jaime Pinto.

A cerimonia foi apresentada pelo jornalista Mario Vaz, e contou com a presença do embaixador da Itália acreditado em Angola, Claudio Miscia, que se mostrou disponível a cooperar com as iniciativas empresariais dos dois países e continuar a reforçar as relações bilaterais entre os dois povos. E com a Directora da Cassa Depositi e Prestiti-Banco Italiano de Desenvolvimento, Antonella Baldino, que afirmou a prioridade com que o governo Italiano pretende em cooperar com Angola no sector alimentar e os instrumentos que o órgão que dirige dispõe para dar suporte ao projecto em curso.

Há 40 anos em Angola a Inalca, já empregou mais de 100 trabalhadores, e seu investimento está acima dos 50 milhões de dólares.

O grupo Cremonini, representado pela Inalca, foi fundado em 1963 e constitui-se num dos grupos mais importantes do sector alimentar na Europa, actuando em três áreas de negócios: produção, distribuição e restauração, opera em de 75 países do mundo; em África está em: Angola, Argélia, Congo, Congo Kinshasa, Costa do Marfim, Moçambique.

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade