Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Política

Pobreza é cartaz de manifestação no leste de Angola

| Editoria Política | 18/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Mais de 100 cidadãos das províncias da Lunda-Norte, Lunda-Sul e Moxico, convocados pelo grupo de activistas e do movimento cívico “AKWA MANA”, saíram pelas ruas das cidades no domingo, 15, para exigir o aperfeiçoamento das condições de vida das populações locais e uma melhor partilha no Rendimento Nacional.

A manifestação tem como lema "apoiamos o combate as assimetrias regionais". São inúmeras dificuldades observadas na parte leste do país, como a falta de habitações condignas, de saneamento básico, de água potável e electricidade, de hospitais provinciais, de indústrias transformadoras, condições agravadas pela degradação das vias rodoviárias, o que impede o abastecimento regular de bens e serviços.

 Apesar das suas grandes potencialidades económicas, as três províncias pertencem ao grupo das regiões menos desenvolvidas de Angola.

 Sob orientação do Presidente João Lourenço, numa reunião da Comissão Económica do Conselho de Ministros realizada no dia 15 de Março do ano em curso, nesta mesma região, propôs-se reconhecer as principais dificuldades das três províncias.

O reconhecimento do nível de necessidades da população, fez com que os manifestantes exigissem o comprimento das propostas feitas durante a campanha eleitoral e durante a visita de dois dias da Comissão Económica do Conselho de Ministro.

Em 2017, a Lunda Norte albergou mais de 30 mil refugiados congoleses, fugindo aos conflitos na região fronteiriça do Kasai, na RDC.

Em 2018, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e o Serviço de Migração e Estrangeiros informou que se iniciam nos próximos dias o processo de localização dos onze mil refugiados da República Democrática do Congo (RDC) que se encontram fora do centro de assentamento do município do Lóvua, província da Lunda-Norte.

 

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade