Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Julho de 2018

MUNDO

Agricultura: Os desafios do século XXI

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

Sociedade

Angola perde Angosat-1, e prepara o Angosat-2

| Editoria Sociedade | 20/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Diante da inoperacionalidade do Angosat-1, primeiro satélite angolano de comunicação geostacionário, os russos têm de fornecer a Angola o Angosat-2 a custo zero

A informação divulgada pela imprensa russa, que indica fontes ligada a indústria espacial, a responsabilidade será assumida de acordo com o contrato assinado entre o entre o Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de informação e a empresa Rosoboronexport, responsável pelas exportações militares na Rússia.

As mesmas fontes, explicam que o satélite Angosat-1 desapareceu do rastreio da base russa e no centro de controlo em Angola, 16 horas depois de ser lançado no dia 26 de Dezembro de 2017, no cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão.

Os dois países estão a negociar a criação do novo satélite Angosat-2, um processo que irá até no final do mês de Maio.

O acordo citado pelo jornal russo "Kommersant", afirma que o primeiro satélite está coberto por um seguro de 121 milhões de dólares, um preço atribuído em partes iguais pelas empresas SOGAZ e VTB - financiamento suficiente para garantir a sua construção sem nenhum rombo nas contas da RSC Energia, empresa que lidera o consórcio russo responsável pela construção do Satélite.

Os 121 milhões de dólares serão quase a metade dos 320 milhões investidos por Angola no AngoSat-1, a quantia será. suficiente para garantir o satélite AngoSat-2, calcula a imprensa russa, tendo em conta que as despesas com as infra-estruturas já foram realizadas.

O ministro das Telecomunicações e Tecnologia de Informação, Carvalho da Rocha, garantiu que os interesses de Angola estão salvaguardados e que na eventualidade de uma avaria ou perda do satélite, os russos têm a obrigação contratual de construir um novo satélite a custo zero.

"O contrato prevê todos os extremos e, nesta indústria, todos os riscos são acautelados, desde a construção, lançamento e transporte. Todas essas etapas estão asseguradas", assegurou o governante, em entrevista ao Novo Jornal Online.

Já depois disso, o secretário de Estado das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, Manuel Homem, adiantou que, durante este mês de Abril, haverá um encontro das equipas técnicas, para definição dos procedimentos de utilização do satélite.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade