Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Economia

Banco Mundial afirma a sétima posição de Angola no “Doing Business”

| Editoria Economia | 23/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Angola conseguiu um avanço significativo na atribuição de licenças de construção, no domínio da eletricidade e no comércio internacional, face a um aperfeiçoamento das infraestruturas no porto de Luanda.

A informação consta na décima quinta edição do relatório anual Doing Business do Banco Mundial, com o lema “Reformar para Gerar Empregos”.

Segundo o Banco Mundial no seu relatório Doing Business que avalia o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e os factores sociais, Angola subiu nos anos de 2016/17, da posição 182 para 175 totalizando uma pontuação de 41,49 no índice.

Os dados publicados pelo Doing Business 2018, que são referentes ao 1º semestre do mês de junho de 2016/2017; informa que 190 países foram classificados com base na criação de empregos, captação de investimento, e aumento de competitividade.

De acordo com o documento, Angola, teve uma melhoria no ranking do país, de uma maneira geral, embora ainda estejamos abaixo da média da África Subsahariana, destacando-se países como a Namíbia, África do Sul e o Botswana.

Angola e Cabo Verde situam-se entre as economias da África Subsariana, que puseram em prática as três reformas neste domínio no ano passado.

Face a caracterização feita pelo Banco Mundial, o Ministro das Finanças, Archer Mangueira reuniu com a delegação do Vice-Presidente para África do Banco Mundial, Mokhtar Diop, no final do encontro sublinhou que o novo modelo económico de Angola terá de sobrevalorizar o sector privado para que este possa desempenhar um papel económico mais acutilante, com impacto nas metas do crescimento económico e a diversificação da economia, e em consequências sociais como a criação de empregos.

.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade