Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Junho de 2018

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

Economia

Banco Mundial afirma a sétima posição de Angola no “Doing Business”

| Editoria Economia | 23/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

Angola conseguiu um avanço significativo na atribuição de licenças de construção, no domínio da eletricidade e no comércio internacional, face a um aperfeiçoamento das infraestruturas no porto de Luanda.

A informação consta na décima quinta edição do relatório anual Doing Business do Banco Mundial, com o lema “Reformar para Gerar Empregos”.

Segundo o Banco Mundial no seu relatório Doing Business que avalia o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e os factores sociais, Angola subiu nos anos de 2016/17, da posição 182 para 175 totalizando uma pontuação de 41,49 no índice.

Os dados publicados pelo Doing Business 2018, que são referentes ao 1º semestre do mês de junho de 2016/2017; informa que 190 países foram classificados com base na criação de empregos, captação de investimento, e aumento de competitividade.

De acordo com o documento, Angola, teve uma melhoria no ranking do país, de uma maneira geral, embora ainda estejamos abaixo da média da África Subsahariana, destacando-se países como a Namíbia, África do Sul e o Botswana.

Angola e Cabo Verde situam-se entre as economias da África Subsariana, que puseram em prática as três reformas neste domínio no ano passado.

Face a caracterização feita pelo Banco Mundial, o Ministro das Finanças, Archer Mangueira reuniu com a delegação do Vice-Presidente para África do Banco Mundial, Mokhtar Diop, no final do encontro sublinhou que o novo modelo económico de Angola terá de sobrevalorizar o sector privado para que este possa desempenhar um papel económico mais acutilante, com impacto nas metas do crescimento económico e a diversificação da economia, e em consequências sociais como a criação de empregos.

.

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade