Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Abril de 2018

MIANMAR

Rohingyas, vítimas da História e dos jogos de influência na Ásia

CHINA

A China e o futuro

ANGOLA

Novo Presidente, vida nova?

BRASIL

O país enfrenta 12 meses turbulentos

Rádio

Publicidade

Cultura

Um Intruso Dentro da Casa Branca

| Editoria Cultura | 27/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

O livro do jornalista Michael Wolff, “Fogo e Fúria”, que o presidente americano Donald Trump, tentou por todos os meios legais impedir a sua publicação, veio a lume em língua portuguesa, estendendo ao longo de 360 páginas o testemunho íntimo de situações e personagens do interior da Casa Branca, acompanhando os primeiros 200 dias daquele que se tornou o mais controverso presidente da história americana.

O livro que certamente servirá de base para uma série da Netflix, começa com um jantar íntimo numa residência em Grenwich Village, pertencente a Roger Aisles, ex-presidente da Fox News, um conhecido simpatizante da extrema-direira americana, com Steve Bannon, atrasado e roupa desalinhada, quinze dias antes da tomada de posse de Trump. Para Aisles, o novo presidente eleito, não teria estrutura mental que correspondesse aos ideais que ele e Bannon, no seu Breitbart News, porfiavam há décadas. “Será que o play-boy bilionário percebia verdadeiramente a causa populista dos trabalhadores?” Donald Trump, era o “Donald”, resumia Aisles, uma espécie de” rebelde sem causa” de quem tudo se podia esperar.

O livro possui o tom e narra episódios que serão um manancial para uma boa série televisiva da Netflix, onde se cruzam membros da família Trump, Melania a pimeira dama, Jared Kuschner e Ivanka (a Jarvanka), Proebius, o general Mattis (Mad dog), os inevitáveis maus da fita, pequenas conspirações entre grupos rivais, não faltando uma pitada de sexo, à boa maneira de Hollywood. Grotesco, mas real.

A série britânica Mounty Python fazia esforços de maior comedimento. E a procissão ainda vai no adro!...

 

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade