Publicidade

Publicidade

Publicidade

África 21 OnlineÁfrica 21 Online

Registre-se na nossa newsletter e mantenha-se informado.
África 21 no Facebook

África 21 Online

Pesquisa

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook

Edição Impressa

Edição do Mês

Destaques da edição de Dezembro de 2018

MUNDO

BALANÇO 2018 PERSPECTIVAS 2019 PASSAGEM DO ANO ENTRE DEGRADAÇÃO ECOLÓGICA, MIGRAÇÕES E SUBIDA DA DIREITA AUTORITÁRIA

ARGENTINA

Marcha-atrás na Argentina

ANGOLA

O BALANÇO DO PASSADO PARA CONSTRUIR UM NOVO FUTURO

MOÇAMBIQUE

Os cinco dias que abalaram Moçambique

REINO UNIDO

BREXIT E O JOGO DO “EU SAIO MAS QUERO FICAR”

ÁFRICA

A doença do poder e os doentes no poder em Africa

ESTADOS UNIDOS

Guerras comerciais e desordem mundial

MUNDO

Memória Deixaram-nos em 2018

Rádio

Publicidade

Política

42.000 migrantes beneficiaram da anulação do plano de expulsão de Israel

| Editoria Política | 27/04/2018

-A / +A

Imprimir

-A / +A

A população eritreia e sudanesa  enfrentam vários problemas de ordem socioeconômica, de acordo com o site https://brasilescola.uol.com.br/geografia/eritreia – 68% dos habitantes da Eritreia, são subnutridos; grande parcela da população é portadora do vírus HIV; o índice de analfabetismo é altíssimo (36%) e a maioria da população vive com menos de 1,25 dólar por dia, ou seja, abaixo da linha de pobreza.  A população sudanesa não tem um quadro muito diferente, o Índice de Desenvolvimento Humano nacional é de 0,379 (baixo); os habitantes enfrentam muito tempo de seca, maior causa do aumento da subnutrição em várias porções em todo território nacional, que impede o desenvolvimento da agricultura.

Foi neste quadro que 42.000 migrantes de origem eritreia e sudanesa que se encontram ilegais em Israel, que faziam parte do plano de expulsão do governo israelita, foram beneficiados com anulação da ordem de expulsão no dia 25 de Abril.

O Supremo Tribunal de Israel foi informado pelos serviços governamentais, sobre anulação do plano, depois de alguns países terceiros não citados, terem recusado em acolher os emigrantes.

O presidente de Israel Benjamim Netanyahu, na sua conta Twitter, deixou claro a intenção de reabrir o centro de detenção de Holot. E anunciou um acordo feito com o ministro do interior Arié Dery, “para se organizar o mais rápido possível com vista a reabertura dos centros de detenção para encontrar uma solução para o problema dos migrantes”.

O chefe do poder executivo israelita, fez menção do encerramento do centro de detenção de Holot no sul do país em Fevereiro.

Uma boa parte dos migrantes foram transferidas para a prisão de   Saharonim.Em África o governo israelita negociou com os países do Ruanda e o Uganda, na possibilidade de receberem os migrantes que corriam o risco de serem expulsos. “De acordo com anulação do plano de expulsão a possibilidade de serem transferidos por um outro país não é mais relevante”, reconheceu o Presidente DE Israel Benjamim Netanyahu.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), criticou o plano do governo Israelita, e também uma boa parte da sociedade israelita demostrou o seu descontentamento em relação ao plano.

Recorde, que 200 migrantes foram aprendidos pelo governo israelita por não aceitarem sair do país. Constata-se que os mesmos já se encontram em liberdade desde o mês de Abril, após o julgamento feito pelo Supremo Tribunal. O motivo da libertação dos 200 migrantes, foi pelo facto do executivo não ter êxitos no acordo com os países de acolhimento.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  

Imprimir

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Siga o portal África 21

Feed RSS Twitter Facebook
África 21 Online

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade